Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O Papa vê mais longe do que governistas tétricos, empresários turvos, economistas tontos

HELIO FERNANDES

A confusão é total, completa e irrefutável. Nada surpreendente num país, que teve 3 presidentes no mesmo ano. E que a seguir foi ainda mais inacreditável, batendo seu próprio recorde, com 3 presidentes no mesmo dia. Depois de tudo isso, temos "apenas" dois. Um que sabe que ficará uma semana.

O outro supostamente efetivado. Mas que permanecerá sub-judice por tempo indeterminado. Diante do TSE. Até quando o mais alto tribunal eleitoral, considerar que pode desconsiderar a Constituição.

 O presidente indireto, estará de volta ao país, hoje. Na viagem á China, gastou mais tempo propriamente na viagem do que na permanência. Entrou desconhecido. Saiu ignorado. Nenhum encontro marcante, nada que destacasse ou lembrasse sua presença. A única foto com personalidades foi o encontro com os componentes do BRICS. (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul. Articulação, participação e conclusão, feita exclusivamente pela ex-presidente Dilma).

Como só falou de assuntos nacionais, não precisava ter viajado. Criticado duramente pelo jovem presidenciável Aécio Neves, respondeu de lá mesmo. O presidente do PSDB, não está nada satisfeito, como revelei com exclusividade ha 10 dias. O partido que teve presidenciáveis derrotados nas ultimas 4 eleições não está insatisfeito com um fato mais do que visível. 

Sem o PSDB, o presidente indireto não se aguenta. Mas com o PSDB, mesmo impopular e sem realização, Michel Temer admite seriamente a reeleição. Nem se incomoda, quando alguém lembra que ele estará então com 78 anos. E se a ambição desse certo, e se concretizasse,estaria disputando a sua primeira eleição direta. O PSDB tem roteiro inteiramente diferente.

O presidente indireto vive de ilusões, de divergências. E de promessas que sabe que não pode cumprir. Por falta de vontade e de competência. E impossibilidade de contar com uma base eleitoral na Câmara. Nem quero falar nos 61 votos que obteve ou cooptou no Senado. Eram apenas circunstanciais. Serviam unicamente a interesses pessoais. Vastamente recompensados, sob a alegação de que eram indecisos. Em nenhum momento do impeachment, houve algum senador que não tivesse seu voto decidido, menos para o Planalto.

Presidente indireto e com futuro incerto

Pouco antes da decisão do Senado, Temer retumbou: "Assim que for efetivado, movimentarei o Congresso, com medidas de impacto. Mesmo que sejam impopulares". Não tem planos, projetos, "plataforma" de governo, como se dizia na Republica "velha" e de partido único. A Republica envelheceu mais ainda, a politicalha domina tudo, através de mais de 30 partidos.

Tendo mergulhado na politicalha a vida toda, o presidente sabe de "ciência certa", que ninguém governa o país sem reforma politica-partidaria-eleitoral. Prometeu um "ministério de notáveis". Nomeou um "ministério de indiciados na lava-Jato". Que já foi substituindo.  

Garante um ministério inteiramente novo, mais uma das promessas visivelmente desprovidas de conteúdo. E só quem acredita nisso é o "centrão". Que não esconde nem esquece: "Ministério ou modificações novas, só com o nosso apoio". È verdade. E tem o aval do corrupto Eduardo Cunha, aceito pelo presidente indireto. Sem qualquer restrição.

A política vai mal, a economia, péssima

Precisa reduzir os partidos, no maximo a 6. Com 30 e crescendo cada vez mais, não sai nem de casa. Nem precisa se aprofundar muito já me fartei de relacionar 4 ou 5, itens, que permitiriam reformas objetivas e fundamentais. Com isso, simplificaria o sistema político-partidário, que é assustadoramente, ao mesmo tempo PRESIDENCIALISMO e PARLAMENTARISMO.

A Constituição de 1988, foi encaminhada como PARLAMENTARISTA. Logo identificada como CIDADÃ. Misteriosamente se transformou, deixou de ser cidadã, mergulhou a redemocratização num impasse e numa crise permanente.

Que é o que estamos vivendo. Não se sabe até quando e com quem. Principalmente depois de 2 impeachment em 24 anos. E um presidente indireto, que governa sem calendário político, econômico, eleitoral ou administrativo.

Mas tem ao mesmo tempo, uma arrogância e uma dubiedade, que se confundem e se contradizem. Para confirmar o que digo ha 6 meses, confiando no TSE, um fato de hoje. O presidente do mais alto tribunal eleitoral, determinou: o processo do impeachment do Senado deve ser enviado a ele. E juntado ás 4 ações que pedem a cassação da chapa Dilma-Temer. Impossível prever a base ou explicação para esse pedido. A não ser citando o nome do presidente do TSE: Ministro Gilmar Mendes. Clareza ou escuridão.

Temer não liga para fatos

Na China, elevou seu poder de crença na irrealidade. Acreditou nos assessores,
que num intervalo das brigas por interesses pessoais, acariciam o ego do presidente interino, garantindo, "a economia está em recuperação sem volta". Os economistas, a quem entregou tudo, vão mais longe. Principalmente o carreirista do Ministério da Fazenda.

Registrei: em 8 entrevistas coletivas, falou: "Está difícil, mas lutarei para que não haja aumento de imposto. A não ser que seja rigorosamente necessário". Comentei: pura estratégia para aparecer de forma positiva. 1 hora antes de viajar para a China, entregou pessoalmente a Renan, o projeto de orçamento para 2017. Sem aumento de imposto. Eu não adivinhei, apenas conheço meus personagens. Na China, desapareceu, só foi visto na quarta ou quinta fila. Não conhecia ninguém.

Os empresários mais poderosos, não investem. Junto com os banqueiros, conseguiram formar imagem positiva deles mesmos. Não arriscam. Enquanto a inflação não cede. Os juros, que o presidente do BC afirmou, "serão reduzidos em 2016", continuam lá no alto. E o PIB pode crescer no fim de 2017 ou 2018. PODE, a condicional é importante.

O único que comentou rigorosamente o que acontece por aqui, foi o Papa. Não quis endeusar ninguém. Constrangido, afirmou: "Estou muito triste com o momento vivido pelo Brasil". E acrescentou: "Estive no Brasil, em 2013, foi emocionante. Estava preparado para voltar em 2017, tive que cancelar’. Nem precisa de explicação. Mas
o presidente indireto, mistificou: "O Papa falou que vai rezar oração pela pacificação". O Papa está sempre rezando pela pacificação. Para o Brasil, seu comentário, é pior que o rebaixamento de todas as agencias de risco.

O roubo dos Fundos de Pensão

Foram bloqueados 8 bilhões dos 4 maiores Fundos: Caixa Econômica, Correios, Petrobras, Banco do Brasil. Isso nem é corrupção, é roubalheira das grandes. A investigação levou 1 ano e 3 meses. O prejuízo é muito maior. 8 bilhões conseguiram ser recuperados em bens de luxo. Principais envolvidos: Vaccari Neto, cuja delação complicada assusta a cúpula do PT.

E Leo Pinheiro, que estava em liberdade, foi preso novamente. Sua delação não se completou, deixou Brasília aterrorizada. Presidentes, diretores e conselheiros de Fundos não podem ser de modo algum políticos. E para serem nomeados, deveriam ser investigados, no mínimo durante 6 meses.

PS- Na quarta passada, repetindo ontem, o Supremo "julgou" ação de Maria de Fatima Ventura, contra Rubens Coimbra Pereira. Dias antes eu já havia escrito condenando o abandono de causas importantes.

PS2- No dia seguinte, a Ministra Laurita Vaz escreveu admirável artigo sobre o desperdício de tempo dos dois mais altos tribunais. O STF e o STJ, que ela agora preside. Não aconteceu nada.

PS3-Ha meses, Eduardo Cunha é réu no Supremo e não é julgado. Importante e inadiável a decisão do supremo, sobre o julgamento do Senado, que cassou o mandato de Dona Dilma.Mas numa  aberração completa,manteve seus direitos.

PS4-E para terminar por hoje, só por hoje: em fevereiro, aplaudido, o supremo decidiu: o réu condenado em segunda instancia, tem que ser preso imediatamente. Decisão coletiva do plenário, desobedecida, por ministros, individualmente. Ha 7 meses o supremo se omite, não reafirma o julgado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário