Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

segunda-feira, 15 de outubro de 2018


SE FOR PRESIDENTE, BOLSONARO TEM TUDO
PARA FAZER UM GOVERNO DESALINHADO, TUMULTUADO, DESENCONTRADO, COMO SUA ESTRANHA VIDA FAMILIAR

HELIO FERNANDES

A comparação é obrigatória e nada surpreendente. Nos dois casos, a
vida particular e o exercício da vida pública, ele é o personagem
principal. E pela personalidade violenta, sem controle e totalmente
inusitada, está sempre em contradição.

Está no terceiro casamento. Não mantém relacionamento com as duas
primeiras mulheres, apesar de ter tido 4 filhos com elas. Com eles,
confessou, o comportamento é fácil e maravilhoso. "Podemos até falar
palavrões", que deve ser o máximo da intimidade, para um homem com a
sua educação e formação.

Aí, tomou uma providencia, que eu não conhecia ninguém que tivesse
feito: VASECTOMIA. E para completar e complementar a contradição em que
vive, revelou: "Fui ao HCE, (Hospital Central do Exercito), excelente, já
estive preso lá, não estava doente, só queriam me tirar da circulação
outra cirurgia”, anulou a VASECTOMIA.

Motivo: se apaixonou por uma moça que já tinha uma filha, casou com
ela, queria ter uma filha com ela. Teve.  Como tudo o que está aqui,
foi revelado por ele, contou: "Isso mudou minha vida, tenho uma filha e
uma enteada". Imaginem o que um homem que faz tudo isso apenas em casa
mudando espantosamente a própria família, pode fazer, modificando
milhões de famílias, se for presidente.
 
ELIO GASPARI DESTROÇOU OS NAZISTAS ARROGANTES 
E IGNORANTES
 
Uma jovem no RGS teve as costas retalhadas à faca, por estar com uma
camisa com a inscrição, "ELE, não". Como a selvageria teve muita
repercussão, os nazistas vieram a publico tentar se
defender, explicando, "a suástica está invertida, nós não cometeríamos
um erro como esse". O famoso jornalista pegou o assunto, deu uma aula
primorosa, que deveria ser lida por todos os  democratas. Para saber do
que são capazes esses nazistas bolsonaristas.
 
Gaspari foi minucioso e irrefutável. Em 54 linhas, desmontou todos os
personagens do fato (citados com nome e sobrenome), começando pelo
delegado Paulo Cesar Jardim, que se dizendo especialista na área,
garantiu que "a suástica é símbolo de amor, paz e harmonia". Depois
dessa fase, Gaspari colocou TUDO ERRADO e começou a aula magna 
de esclarecimento.
 
Provou de forma irrefutável, que tudo foi planejado e premeditado, para
excluí-los de culpa, "nós não cometeríamos um erro como
esse". Empresários que defendem a democracia, (existe) deveriam mandar
imprimir e distribuir milhões de exemplares, (sairia barato) do artigo
do Gaspari. Assim se combate o nazismo, Sem usar as armas que eles
tanto adoram e idolatram.
 
PS- Nazistas de escola fizeram varias reuniões para responder á aula
do jornalista.
 
PS2- Sabem que isso é indispensável. Falta competência. E coragem.
 
ESPERAVAM E APREGOAVAM A REELEIÇÃO DE 80 POR CENTO 
DOS DEPUTADOS E SENADORES
 
Aconteceu rigorosamente o contrario, mas não ficamos nem perto da tão
proclamada renovação. Na Câmara foram eleitos 243 deputados
diferentes. Nem uso a palavra NOVOS, prefiro colocá-los como
DESCONHECIDOS, é isso que são até o momento. Quem for eleito
presidente no dia 28, terá novembro e dezembro, para tentar
estabelecer contato, relacionamento e até dialogo com eles.
 
Aí poderão descobrir o que representam, pois são estreantes na
política, fato inédito na historia partidária e eleitoral do
país. Tomarão posse no dia 31 de janeiro, no dia seguinte se reunirão,
com a primeira obrigação: eleger o presidente da Câmara. Pelo
Regimento Interno, o mais velho abre a sessão e preside a escolha do
presidente para os próximos 2 anos.
 
Se o mais velho pretender disputar a presidência efetiva, pode recusar
a presidência ocasional. È até possível e plausível, que entre esses
243, apareça alguém, que queira começar a carreira desconhecida, com
um salto premeditado, e que o projete nas manchetes. O primeiro mandato
e logo assumindo um cargo tão importante. Não tão destacado quanto
foi até agora. Por falta do vice presidente da Republica, o presidente
da Câmara assumia e mudava para o Planalto.
 
Agora existem um presidente e um vice (a confirmar no dia 28), ciosos
e ansiosos por governar. Mas só um será eleito, o outro será
substituto. Mas com idéias próprias e explicitas sobre as funções. Aí
mora o perigo, antes da confirmação, já trocam "caneladas".
 
O mais importante a partir da posse: esses 243 deputados tomaram o
lugar de outros 243 que se julgavam intocáveis. Quais foram os
preteridos e atingidos? Nos últimos 4 anos, o domínio da Câmara se
dividiu assim.
 
Bancada da Bíblia.
 
Bancada da Bola.
 
Bancada da Bala.
 
PS- Logo haverá uma definição.
 
PS2- Amanhã farei análise sobre o senado, que sofreu a mesma rejeição.



BATALHA DO FAKE NEWS PROTAGONIZA AS ELEIÇÕES. PROPOSTAS
E PROGRAMAS DE GOVERNO DERAM LUGAR AS ACUSAÇÕES FACCIOSAS. PARTIDÁRIOS DO CANDIDATO PETISTA HADDAD DERAM INÍCIO AS PROVOCAÇÕES E SE PERDERAM EM DEVANEIOS. IMPOSSÍVEL PARA O PT MASCARAR SUA PROPOSTA CRIMINOSA DE SOCIALIZAR E ATERRORIZAR O PAÍS GOLPEANDO A DEMOCRACIA. O ESQUIZOFRÊNICO DO JOSÉ DIRCEU DEU O RECADO DO CHEFE PRESO EM CURITIBA: “TOMAMOS O PODER A FORÇA”. PESQUISAS APROVAM BOLSONARO E O PT RECUA. MUDOU AS CORES DA BANDEIRA, FREQUENTAM MISSAS E FALAM EM AMOR FRATERNO. ACIONARAM O VALE TUDO PARA TENTAR GANHAR A PERDIDA ELEIÇÃO.

ROBERTO MONTEIRO PINHO

A eleição no país caminha para o seu final. Dois fatores tiveram forte influência no primeiro turno, as redes sociais e o episódio do esfaqueamento do candidato a presidência Jair Bolsonaro (PSL).

É visível que o episódio que envolveu o presidenciável, deu a ele maior visibilidade, a ponto de suplantar os demais concorrentes em exposição na mídia nacional e até mesmo internacional.

Outro fator decisivo nessas eleições foram as centenas de milhares de postagens das candidaturas, muitas das quais fake news, e que tiveram um efeito até certo ponto danoso para todos. Quanto a esse ingrediente na campanha, de certa forma todos também concordaram que poderia ter sido evitado pelos provedores de internet e o próprio Tribunal Superior Eleitoral - TSE.

Após os resultados veio à decepção para políticos tradicionais, que não se reelegeram e alguns tiveram votação medíocre.  Isso demonstrou que o eleitor está cansado das falsas promessas e mostrou sua indignação não votando nesses candidatos.

Todos reclamam e com razão de que os políticos abandonaram a apresentação de propostas para pontuar em ataques aos adversários e com isso o nível da campanha foi um dos mais baixos na história política do país.

A discussão dos temas que aflige o brasileiro teria que ser colocado na mesa dos debates e nas propostas dos candidatos, para que o eleitor pudesse fazer a seleção daquilo que mais lhe convém ao dar o voto.

Os Institutos de pesquisas até a data limite do registro das candidaturas trabalhavam com a hipótese de Lula participar do pleito. Com isso a CNT/MDA divulgou no dia 19 de agosto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na liderança das intenções de voto para presidente da República em 2018 com 32,2%. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) em seguida com 19,8% e a ex-ministra Marina Silva (REDE) com 12,1%.

Com Lula fora da disputa, o seu vice Fernando Haddad, entrou na disputa direta, e terminou o segundo com. Encerrada a votação, Jair Bolsonaro alcançou 46,03%, Haddad 39,28%, Ciro 12,47%, Alckmin 4,76% e Amoedo 2,50% os mais votados.

Os primeiros números dos institutos começaram surgir essa semana. O Datafolha aponta que Bolsonaro têm 58% e Haddad 42%. Já o Instituto Paraná vai mais além, aponta 69,6% para Bolsonaro e 30,4% para Haddad.

Nos bastidores, eleitores anônimos, sem qualquer identidade com as cúpulas de campanha, voltam ao bombardeio de Fake News, que são constantemente desmentidos pelos candidatos. Alguns desses fakes são altamente nocivos ao processo democrático, e ferem o estatuído na Constituição Federal, quanto ao risco de ofensa à honra e a deturpação de fatos legados aos candidatos.

Uma guerra sem fim, incessante e constante, de tal forma que seu controle só poderia ter êxito, se os provedores de internet, saíssem do ar. Ademais na rede whatsapp estão as mais cruéis, e hilárias postagens. Ai está o verdadeiro fenômeno dessas eleições ainda que com biometria, um engodo para o país, que amarga um atraso de anos, quanto ao voto não ser obrigatório. E se o fosse, com o resultado de 29% de eleitores fora das urnas, certamente este número dobraria.

Quanto às diferenças, pende para o Partido dos Trabalhadores a pior parte, onde a perda de identidade, e a tentativa de ganhara a eleição, apela para mudanças no seu perfil dito ideológico, muda as cores vermelha para o verde amarelo e isola seu líder e fundador Lula.
Dizem os mais próximos do ex-presidente, que houve entre ele o PT uma ruptura, a ponto de Lula romper com Haddad e sair de vez do contexto dessa eleição.

O fato é que o brasileiro enfrenta essa overdose de mentiras e ironias, o que deve se acentuar na propaganda no curso do horário eleitoral do rádio e da TV e na reta final do segundo turno.


domingo, 14 de outubro de 2018


NO SEGUNDO TURNO, A PALAVRA DE
ORDEM É NEUTRALIDADE

HELIO FERNANDES

Impressionante o medo da definição. 30 partidos sem liderança, comando
ou convicção. Inventaram ou descobriram uma forma de participação
escondida: "Apoio critico". Numa definição isenta e até positiva,
poderia ser interpretada assim:" Votaremos em Haddad ou Bolsonaro, mas
sem apoio irrestrito. Se não cumprirem o que prometeram, estaremos na
oposição".

Posição que até mereceria aplausos, se representasse posição
partidária coletiva. Nada disso, vitoria da individualidade, a decisão
que nada decide. Não fecharam a questão, deixaram o caminho livre e
desimpedido, para que cada um vote como bem entender. Pode ser também o
roteiro para um troca-troca na Câmara e no senado.

Como houve grande modificação no Congresso, verdadeira renovação (e
até pode representar revolução), só saberemos a partir de fevereiro,
agora são todos desconhecidos, nunca disputaram eleição. Mas precisamos
de definição até o dia 28, quando o novo presidente estará aureolado,
mas pelo jeito, não consagrado.

PS- Até Ciro Gomes optou pela indefinição. Assim que terminou o
primeiro turno, perguntado como se definiria para o segundo turno,
respondeu taxativo: "NELE de jeito algum".

PS2- Apesar da afirmação, optou pela neutralidade. E para eliminar
duvidas, viajou para o exterior, 1 mês de ferias.

Bolsonaro é o POSTO YPIRANGA da ignorância, truculência, violência, 
incompetência, incoerência
 
Não sei a quem pagar royalties pelo maior sucesso publicitário dos
últimos tempos. Mas ao fazer a criação, na certa estava pensando no
capitão que quase foi expulso do Exercito, passou para a reserva, hoje
recebe 8 mil e 600 reais. Mensais e eternos. Está completamente
assustado, arrependido de ter concordado com o segundo turno. Vou
identificar as 5 palavras que coloquei no titulo.
 
IGNORANCIA - Ele mesmo confessou que é analfabeto em economia, não
precisava localizar. Não tem programa, diretrizes, a não ser o que
lembre improvisação. Foi categórico e catastrófico ao revelar seu
comportamento em relação ao imposto de renda. Quem ganha até 5
salários mínimos, (4.700 reais) ficará isento. A partir daí, todos os
cidadãos, pagarão cota única e unificada: 20 por cento.Classe media
baixa, media, alta, ricos, ricaços, super ricos, bilionários,
triliardarios, banqueiros, serão taxados igualmente. Será a maior
tragédia anunciada. Se for eleito e confirmar.
 
TRUCULÊNCIA - È o seu dia a dia, sua "plataforma" (como se dizia na
Primeira Republica), sua paixão incontestável, eterna, imortal e
duradoura. È o militarismo sem limite.
 
INCOERÊNCIA - Quer o poder a qualquer custo, mesmo que para
conquistá-lo, tenha que fazer concessões ou retira-las, como
aconteceu, em dois casos, entre quarta feira e hoje. Em SP, autorizou
a chapa Bolsodoria, o ex-prefeito se atrelou a ele, traindo seu
inventor, então governador Alckmin. Como Doria está em queda brutal,
proibiu-o de fazer campanha com o Bolsodoria. Através de
intermediários, Doria veio ao Rio se encontrar com ele. Esperou 4
horas, Bolsonaro não apareceu. Voltou para SP, frustrado, decepcionado,
humilhado. Praticamente derrotado.
 
INCOMPETÊNCIA - Agiu da mesma forma no Estado do Rio, com o
Desconhecido que na expectativa da campanha, elevou do quinto para 
o primeiro lugar. Estranhando fatos do seu passado, quis saber por que faz
campanha como "ex-juiz" e não" juiz aposentado". Também não gostou de
saber que ele recebe mensalmente mais do que o teto. Gostou dos
acenos de Eduardo Paes. Disse que só apoiará no segundo turno,
candidatos do PSL. Três gatos pintados ou pingados.
 
VIOLÊNCIA- È a regra básica de sua vida inteira, sempre regida e
doutrinada pela preponderância das armas. Agora, assustado, despeja
toda sua baixaria acumulada, em cima do adversário. Fugiu do debate,
explicou," não participarei por estratégia". Também deve ser
"estratégia", afirmar na campanha temos que "fuzilar toda essa
PTralhada". Como é que o TSE registra um candidato como esse, que só
tem como obsessão, convicção, vocação, destruir a DEMOCRACIA?
 
E como é, qual a explicação para que milhões de cidadãos pacíficos,
votem num alucinado e apaixonado pelo perfil autoritário
-atrabiliario, que prega a intervenção militar. Bolsonaro foi tão
conclusivo, que seu vice-general-militarista, assimilou tudo, e pregou
um programa ainda mais radical," quando eu assumir, Bolsonaro não tem
condições físicas para governar".
 
PS- Bolsonaro é também analfabeto em Historia, ou saberia que o Brasil
tem quase tantos vices que assumiram, quanto presidentes que não
terminaram o mandato.
 
PS2- Se for confirmado no dia 28 para infelicidade geral, receberá o
cargo, transmitido por um vice que não resistiu á ambição de se
transformar num presidente corrupto e usurpador.
 
PS3- Mas sua grande preocupação terá que ser com o comportamento do
próprio vice. Terá que suportá-lo, não poderá substituí-lo, nem  sequer
fazer uma viagem ao Paraguai.
 
BOLSONARO NADA SURPREENDENTE
 
Pouca gente sabe que o capitão quase expulso do Exercito, foi
vereador. Eleito em 1988, tomou posse em 1989. Portanto, 30 anos da
primeira eleição, logo depois passava a deputado federal, todos sabem
que está no sétimo mandato.
 
Um fato gravíssimo, muito comentado na época, logo esqueceram. Quem foi
á sua posse: o general Newton Cruz, então na ativa. Uma das figuras
mais negregadas e repulsivas, dos círculos militares. Bolsonaro
também, mas no momento as palavras definem o general.
 
INDULTO E LIBERDADE
 
A mais extremada acusação feita contra Haddad, é que se eleito,
imediatamente concederá INDULTO a Lula. Insistem, acrescentam até,
textual: Haddad não saberá governar, e não terá tempo para ir todo dia
á prisão, para buscar instruções do que fazer. O ódio e a necessidade,
geram absurdos como esse. A condenação-conspiração-perseguição contra
o ex-presidente, já esteve para ser revista, no ultimo dia antes do
recesso do STF. Ficou para depois. Só que esse depois foi adiado para
nunca, por causa da tremenda pressão, que atingiu até o mais alto
tribunal do país.
 
Ninguém fala em qualquer órgão de comunicação, sobre o já preparado
ato e fato de gratidão, libertando o suposto ou presumido autor do
atentado de dupla interpretação. Como ele ainda não está condenado,
basta mandar abrir as portas da prisão, e deixar ele sair. Bolsonaro
será até aplaudido. Sua vitoria disparada no primeiro turno, deve
tudo a ele, aliás, com quem mantinha relacionamento conhecido.
 
A FACADA NEWS, impulsionou a campanha, deu ao candidato, uma
visibilidade premeditada, mas surpreendente. A votação avaliada entre
22 e 26% subiu espantosamente para 49 milhões, 46 milhões dos votos
validos. Quase se elegeu no primeiro turno, e garantiu o segundo, que
sempre afirmou que não haveria. Só haverá por causa da votação
espantosa, que ele considera irreversível.



ANÁLISE & POLÍTICA
   “Jornalismo opinativo com informação precisa e contundente”


ROBERTO MONTEIRO PINHO

Pesquisa XP/Ipespe: Bolsonaro lidera com 59%
Primeira pesquisa XP/Ipespe para o 2º turno da disputa presidencial mostra Jair Bolsonaro (PSL) na liderança com 59% das intenções de votos válidos, 18 pontos percentuais a mais que Fernando Haddad (PT), que tem 41%. Quando considerando os votos totais (que incluem brancos, nulos e indecisos), Bolsonaro tem 51% contra 36% do petista. Brancos e nulos somam 10%. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais e a pesquisa foi feita por telefone de 8 a 9 de outubro.
Candidato já têm os ministeriáveis
Embora tenha vazado para as redes sociais e jornalões o presidenciável Jair Bolsonaro - PSL (vencendo as eleições de 28 de outubro), andou revelou a confidentes os nomes dos possíveis ministeriáveis do seu futuro governo. Já são 9 dos 15 prováveis para ocupar a Esplanada dos Ministérios. Bolsonaro prometeu reduzir os 29 ministérios a 15 e ainda não negociar os cargos em troca de apoio no Congresso.
Os ministeriáveis...
Além do economista Paulo Guedes, o coordenador da campanha, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), é o preferido para chefe da Casa Civil, pasta que acumularia também a relação com o Legislativo, hoje tema que está sob os cuidados da Secretaria de Governo. A Educação uniria as pastas de Cultura e Esportes e seria administrada por Stravos Xanthopoylos, um dos principais conselheiros de Bolsonaro para educação. Ele é diretor de relações internacionais da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) e ex-integrante da Fundação Getulio Vargas.
Saúde e economia...
Para a Saúde, um nome cotado é o de Henrique Prata (amigo pessoal de Bolsonaro), e presidente do Hospital do Câncer de Barretos. Nelson Teich empresário e médico oncologista do Rio também está sendo cogitado. Paulo Guedes assumiria, em caso de vitória no 2º turno, o Ministério da Economia, pasta que reuniria Fazenda e Planejamento. Há uma indefinição sobre o futuro do Ministério de Indústria e Comércio Exterior: se ele seria agregado à Economia ou se mantido como pasta independente.
Transportes
Para comandar os Transportes, Bolsonaro tem preferência por Osvaldo Ferreira, general quatro estrelas da reserva. O militar tem coordenado uma série de reuniões em Brasília que dão suporte para a construção de um plano de governo. Ele comanda as propostas para infraestrutura. O general da reserva, Augusto Heleno já foi anunciado pelo candidato como seu eventual ministro da Defesa. Heleno mantém uma relação de proximidade com a família do capitão reformado e é o principal ponto de contato do grupo de Brasília com o candidato.
Justiça, Ciência e Tecnologia
Para a pasta de Ciência e Tecnologia, o mais cotado é Marcos Pontes, astronauta brasileiro, que chegou a ser cotado para vice da chapa do PSL. Pontes é o segundo suplente do deputado Major Olímpio (PSL-SP), recém-eleito para o Senado. Para o Ministério da Justiça, o nome do presidente interino do PSL, Gustavo Bebianno, é o mais cotado. Ele é formado em direito pela PUC-Rio e comanda a estratégia jurídica da campanha. Outro nome cotado é o de Antonio Pitombo, advogado de Bolsonaro em ações que o deputado responde no Supremo Tribunal Federal (STF).
Agricultura e Meio Ambiente
O ruralista Nabhan Garcia, presidente da UDR (União Democrática Ruralista), pode ocupar o Ministério da Agricultura, (pasta que reuniria também o Meio Ambiente). O empresário do interior paulista é amigo de longa data do candidato.
Sindicalista perdem cadeiras na Câmara
A bancada sindical da próxima legislatura, que começa no dia 1º de fevereiro de 2019, será menor do que a atual. Nas eleições de 7 de outubro, foram escolhidos somente 33 representantes de sindicatos para a Câmara dos Deputados, contra os 51 que atualmente exercem mandato.

O levantamento foi feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), com base nos dados oficial da Justiça Eleitoral. A partir do próximo ano, serão 18 deputados a menos na bancada sindical e, consequentemente, no debate dos interesses dos trabalhadores, como direitos previdenciários e trabalhistas.

Fatores decisivos

A queda segue uma tendência que já vinha se mostrando desde as eleições de 2014, quando a bancada sindical caiu de 83 para 51 membros. Segundo o analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor do Diap, um conjunto de fatores levou à redução do grupo, que já foi um dos mais atuantes e representativos da Câmara. Primeiro, as reformas trabalhista e sindical enfraqueceram as entidades, que perderam poder para investir nas campanhas eleitorais. “Além disso, houve um erro de estratégia do movimento sindical, lançando muitas candidaturas, o que pulverizou os esforços”, afirmou.

Ele ainda prevê momentos de dificuldades na atuação da bancada. “Com um ambiente hostil, de desregulamentação de direitos trabalhistas, e uma bancada menor, as dificuldades serão enormes”.

PT elegeu 18 cadeiras

Dos 33 deputados que vão compor a bancada em 2019, 29 foram reeleitos e quatro são novos: Airton Faleiro (PT-PA), atualmente deputado estadual; Carlos Veras (PT-PE), presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) pernambucana; Lídice da Mata (PSB-BA), hoje senadora; e Vilson da FETAEMG (PSB-MG).

Câmara terá 200 deputados profissionais liberais e empresários

Dois terços da nova Câmara dos Deputados será composta por deputados eleitos que se declaram empresários ou profissionais liberais, mostrou o levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). O outro terço se divide entre profissionais assalariados de atividades diversas como atores, humoristas, sacerdotes, pastores evangélicos, além de estudantes. 

Empresários

Conforme o levantamento, 133 eleitos de declararam empresários, porém, ainda há 14 produtores do setor de agronegócios e sete comerciantes na nova câmara dos Deputados. Segundo o Diap, esse grupo tende a ser maior porque "um advogado, dono de um grande escritório de advocacia, embora possa viver dos dividendos de seu negócio, prefere se apresentar como profissional liberal do que como empresário."

Liberais

Entre os profissionais liberais, portanto, além de advogados e graduados em Direito, estão médicos, economistas, administradores, jornalistas, engenheiros, enfermeiros, corretores, contadores, médicos veterinários e agrônomos. Nessa categoria, com cerca de 200 deputados eleitos , estão os profissionais cuja renda é proveniente do trabalho sem vínculo empregatício. 


Bancada da Bala

 

No terceiro grupo estão os assalariados: professores, servidores públicos, bancários e policiais; além dos que exercem atividades de natureza diversa, como atores, cantores, apresentadores de TV, humoristas, celebridades, além de pastores e sacerdotes.

 

Bancada da Biblía

 

Em relação a este último grupo, o levantamento mostra que 20 deputados eleitos declararam atividades ligadas à religião: 15 pastores evangélicos, dois sacerdotes, um frade franciscano, um teólogo e um ministro do evangelho. Nele encontram-se parlamentares como Padre João (PT-MG), Sóstenes (DEM-RJ), Frei Anastácio (PT-PB) e Paulo Freire Costa (PR-SP). Já os deputados eleitos Léo Motta (PSL-MG) e Olival Marques (DEM-PA) apresentam-se como cantores gospel.

Militares

Já em relação aos profissionais ligados à segurança pública, o levantamento do Diap mostrou que 32 militares, policiais ou bombeiros foram eleitos. São candidatos como Capitão Augusto (PR-SP) e Delegado Waldir (PSL-GO) que, inclusive, já se candidataram a futura presidência da nova Câmara dos Deputados.

Apesar da “bancada da bala” e da "bancada da Biblía" terem crescido e prometerem uma agenda forte de pautas ligadas à segurança pública e ao conservadorismo nos costumes, pelo menos no papel, os profissionais oriundos dessas profissões, por si só, ainda serão minoria. Os empresários, sejam eles liberais ou conservadores, seguem dominado o Congresso e, enquanto classe, terão o poder de decidir os rumos da Casa.