Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

segunda-feira, 8 de maio de 2017

PASSADO CRIMINOSO DO STF,  EXTRADITOU OLGA BENARIO. 
E DEPOIS SE UNIU A GETÚLIO VARGAS. E AINDA DISCUTEM A MORALIDADE 
DA JUSTIÇA. RENATO DUQUE ESTÁ MASSACRANDO LULA EM CURITIBA. 
A LAMA DA CORRUPÇÃO É FÉTIDA E ATIROU O PAÍS NO DESCRÉDITO 
INTERNACIONAL.  PALLOCI TEM UM ARQUIVO DO TAMANHO DA CORRUPÇÃO 
 
ROBERTO MONTEIRO PINHO
 
Esse STF é o mesmo de Getúlio Vargas que mandou extraditar Olga Benário para ser 
sacrificada pelo comunismo. Agora o Colendo cuja composição tem a caneta de FHC, Lula 
e Dilma, já libertou duas vezes Daniel Dantas, e para a pasma sociedade, idem Eike Batista, 
e José Dirceu. Tudo indica, os próximos serão: Eduardo Cunha e Sergio Cabral. Normal, bem
 lembrado em 1945, Getúlio Vargas e Luiz Carlos Prestes apertaram as mãos numa aliança 
sedentária e aniquiladora para os comunistas que se venderam em busca dos cargos eletivos.
 
Numa nação onde o “crime compensa”, a senha é entrar na política, saquear e depois 
usufruir “fagueiro”, da fortuna que saiu dos cofres públicos, dinheiro que sangrou o 
trabalhador e cumpridor dos seus deveres de cidadania. Tudo, tudo, como se nada
 existiu. Como disse repetidamente Lula e Dilma, “nunca soubemos de nada!”
 
A delação do ex-ministro da fazenda Antonio Palloci Filho aterroriza os envolvidos na Lava-Jato. 
Ele é cliente do escritório José Roberto Batochio, que interpôs agravo 
regimental contra decisão do ministro Edson Fachin, que submeteu ao plenário do STF o julgamento de mérito do HC que pede a revogação da preventiva do ex-ministro.
Os advogados pleiteiam que o julgamento ocorra na 2ª turma da Corte, em respeito ao princípio do juiz natural. Mas esse é um dos problemas, o maior deles está por conta do que poderá ocorrer na delação. Palloci já sinalizou que mesmo que seja solto fará a delação. Ele possui um arquivo do tamanho da corrupção.
No dia 2 de maio, o STF (Supremo Tribunal Federal) acatou o pedido de habeas corpus ao ex-ministro José Dirceu, preso pela Lava Jato e detido desde 3 de agosto de 2015 em Curitiba. A decisão foi tomada pela Segunda Turma do tribunal, da qual fazem parte Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Edson Fachin, relator da operação no STF.
Toffoli e Lewandowski votaram pela soltura. Fachin e Celso de Mello defenderam a manutenção da prisão. O ministro Gilmar Mendes desempatou, com decisão favorável ao petista.
Dirceu e Palloci não são apenas coadjuvantes nesta República contaminada pela corrupção. Eles estão no epicentro dos acontecimentos criminosos que inundou a nação brasileira. Coincidência ou não, poucas horas depois de o Ministério Público Federal no Paraná apresentar nova denúncia contra o petista.
O corre que o HC terá que ser julgado em seu mérito.
Para os que festejam José Dirceu é bom saber que o político é um dos responsáveis por criar o esquema de corrupção na Petrobras quando era ministro da Casa Civil, no primeiro governo Lula, e teve papel de comando nesse esquema.

Em maio de 2015, o juiz condenou o ex-ministro a 23 anos e três meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e organização criminosa pela participação no esquema de contratos superfaturados da construtora Engevix com a Petrobras.
Em março de 2017, Dirceu foi condenado pela segunda vez pelo juiz Sergio Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A pena soma 11 anos e três meses de prisão.
Agora um novo personagem prestou depoimento no dia 5 ao juiz federal Sérgio Moro, Renato Duque contou que se reuniu três vezes com Lula após deixar a Diretoria de Serviços da empresa, em 2012, e que durante as conversas o ex-presidente o questionou sobre o andamento dos contratos da Petrobras com estaleiros para a construção de navios-sonda.
A preocupação de Lula, segundo ele, era com os pagamentos feitos ao PT e com o possível rastro financeiro em contas fora do país que poderia ser detectado pelas investigações.
Réu em um dos processos da Lava Jato em Curitiba, Renato Duque foi reinterrogado hoje após permanecer em silêncio na audiência do dia 17 de abril. Agora ele próprio pediu para ser ouvido novamente. Além de Duque, os ex-ministros Antonio Palocci, o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e o marqueteiro João Santana são réus na mesma ação penal.

O depoimento é recheado de detalhes. Ele declarou que deseja esclarecer o que estiver ao seu alcance e que quer pagar pelo que fez.

Renato Duque, que está em preso há mais de dois anos apos mandados expedidos por Sérgio Moro, relatou também ter três contas no exterior cujo dinheiro, segundo ele, poderia ser repatriado pelos investigadores para retornar a “quem de direito”. De acordo com ele, pelo menos 20 milhões de euros (cerca de R$ 69,84 milhões) ainda estão em sua posse no exterior.

Todo esse dinheiro e os demais da corrupção que os políticos promoveram, é produto do trabalho dos brasileiros. Comprovado e condenados, o destino desses caricatas sociais em algumas nações que tratam com rigor os crimes dessa natureza, seria o fuzilamento em praça pública.

A lama da corrupção é fétida, aniquilou o Brasil, com a perda da credibilidade no exterior. Luiz Carlos Prestes e Getúlio Vargas deram as mãos. Antes Vargas extraditou Olga Benário para ser assassinada na Alemanha nazista. Ambos mancharam o ideal comunista. Dez anos depois Prestes apoiou a permanência de Vargas na Presidência em 1945. E ainda discutem a moralidade da justiça.
            

Nenhum comentário:

Postar um comentário