Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quinta-feira, 11 de maio de 2017

LULA - MORO, VITORIA DESTRUIDORA

HELIO FERNANDES

È lamentável, a impressão que transmitem: o país está dividido entre
lulistas e não lulistas. Longe disso. Existe uma realidade
indiscutível e irrefutável: os que dominam diversas formas de
expressão, que podem emitir opinião, por qualquer meio de comunicação,
esses sim, são lulistas ou anti-lulistas, não fazem analises e tiram
conclusões.

Pelo contrario, começam pela conclusão, e aí partem para a
"analise" e chegam a resultados, já antecipadamente estabelecidos. È o
que se vê, se ouve, se lê sobre o interrogatório, muito antes dele ter
acabado há 24 horas. Com raras exceções.

Lula estava sendo derrotado por pontos, mas como Moro conhecia o
assunto em profundidade, encurralou o ex-presidente durante 5 horas,
com centenas de perguntas minuciosas, que sabia que ele não poderia
nem saberia responder.

Enquanto isso acontecia, uma equipe técnica preparava o vídeo, que seria
fartamente distribuído para rádios (as primeiras a publicarem), sites, internets, televisões. Algumas destas, arrogantes e presunçosas, informando de forma
 textual: "Fizemos esforço enorme para obter esse vídeo, temos pouco tempo, terminaremos amanhã (Hoje).

LULA ESTRAÇALHADO

O vídeo transformou a vitoria por pontos num inacreditável nocaute.
Ninguém esperava que o juiz tivesse a coragem de tornar publico o
depoimento, imediatamente. Não foi apenas coragem, mas também clareza.
Moro percebeu logo, que a tática ou estratégia (as duas suicidas) de
dizer que não tinha conhecimento de nada, ou jogar toda a
responsabilidade e a vontade de ficar com o triplex, exclusivamente
para a mulher morta, eram caminhos que o levariam ao despenhadeiro.
Que foi o que aconteceu.

LULA "VITORIOSO"

Ele e os advogados, depois do lancinante massacre, ainda tiveram a
audácia de mistificar e marginalizar os fatos, não conheciam ainda os
vídeos. Lula: "Comparecerei na justiça, todas as vezes que for
convocado, para restabelecer a verdade, como fiz hoje" Os advogados,
na coletiva, também sem saber dos vídeos: "Foi à grande vitoria do
ex-presidente, que não deixou nenhuma pergunta sem resposta, destruiu
“todas as acusações”.

 Como não sou lulista nem anti- lulista, apenas jornalista, com APENAS
80 anos de carreira, estou enojado, envergonhado, revoltado. Vou
interromper, mas, lógico, não abandonarei o assunto. São tantas as
repercussões. Tenho que interpretá-las, incluindo a ideia de ser
presidenciável em 2018, que se dissipou. Posso voltar até ainda hoje.

Sergio Moro ganhava por pontos, mas com conhecimento profundo do que
acontecera durante 5 horas naquela sala, deu o golpe final e
destruidor em Lula. O que ninguém esperava e transformou sua vitoria
por pontos num indefensável nocaute: a publicação geral e irrestrita
do vídeo do interrogatório. Estava tudo sendo preparado
minuciosamente, foi distribuído amplamente, para rádios, (as primeiras a
(irem a publico), sites, internet, televisões. Algumas destas,
arrogantes e presunçosas, anunciaram "Fizemos esforço enorme para
obter estes vídeos, tivemos pouco tempo. Terminaremos amanhã" (Hoje).

TEMER: 1 ANO DA POSSE
 
È uma data totalmente histórica, embora rigorosamente negativa.
Contrariou todos os fatos similares, chegou ao poder sem voto, sem
povo, sem urna, e sem o menor apoio militar. A República surgiu
militar, militarista e militarizada, superando e ultrapassando a
extraordinária geração dos Propagandistas da Republica. (E dos
Abolicionistas).
 
Pretendendo continuar no Poder, João Goulart subestimou a importância
do Exercito. Ou acreditou demais no que lhe dizia e repetia, o
general Assis Brasil, Chefe da Casa Militar: "90 por cento do Exercito
“apóia o senhor”. Baseado nisso, fez os discursos insensatos e
impensados, dos dias 13 e 28 de março de 1964. Indo para o exílio no
Uruguai, entrando no avião, perguntou ao general, com ironia,
amargura ou revolta: "Tinhamos 90 por cento do Exercito?".
 
Contrariando tudo que acontecera na Historia, chegou o poder com apoio
apenas de Eduardo Cunha, general-civil e presidente da Câmara. Um 
dos maiores corruptos, e com apoio da maioria omissa, displicente, e
acumpliciadamente silenciosa, a conspiração chegou ao tenebroso domingo,
17 de abril de 2016. Foi o apogeu da baixaria. Dali foi para o senado,
que referendou e ratificou tudo. Mais discreta e cautelosamente.
 
EM 1 ANO, TUDO DIFERENTE.
 
Temer "comemora" o nada ou o vazio, sua única preocupação é obter os
míseros 308 votos para aprovar a desnecessária e desfigurada reforma
da Previdência. Seu parceiro, preso e condenado a 13 anos, e na
iminência de outra condenação, mandou emissário conversar com Temer,
não obteve nem resposta
 
Respondendo a processos na Lava-jato e no TSE, pode perder o mandato. .
Costuma afirmar: "O bom, é que não posso ser preso. "Parece verdade. Se
não for, os antigos parceiros, podem se reencontrar em Curitiba.

MARQUETEIROS

São personagens impressionantes. Ganham fortunas por um serviço quase
simbólico. Na hora de receber, não conhecem nem querem saber da
procedência do dinheiro. Na hora de delatar, conhecem detalhes
mínimos, sabem de tudo. È o que está acontecendo com o casal João
Santana. Desmontam toda a vida dos clientes Estão traindo, perdão,
delatando, por terem sido condenados a 8 anos. Reduzirão a pena para

a metade, 4 anos. Deveriam dobrar para 16.

Nenhum comentário:

Postar um comentário