Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Olimpíada será um assunto, durante e depois. O processo contra a corrupção, encontra problemas na Câmara. O presidente do BRA, réu por propina

HELIO FERNANDES

Está caminhando lentamente na Câmara, o projeto contra a corrupção. Cumprindo o dispositivo constitucional, com 1 milhão de assinaturas populares, pode se transformar em Lei. Ha quase 2 meses, a equipe da Lava-Jato apresentou em dezenas de caixas, 2 milhões de assinaturas. Que logo aumentaram em mais 200 mil. È dividido em 10 itens, punindo todos os tipos mais criativos e até agora impunes de corrupção.

Susto completo com a entrega daquele trabalho colossal. Repercussão positiva na opinião publica, negativa no congresso. Tentaram logo eliminar 3 dos 10 itens, não conseguiram, começou a tramitar da forma como foi apresentado. Trataram então de torpedear seu andamento, como sabem fazer, e fazem habitualmente. Designaram representantes experimentados nesse tipo de paralisação de projetos que não devem ser aprovados.

Foram esgotando os recursos, o projeto andava lentamente, mas andava. Decidiram, paralisá-lo, fingindo "reforçar intelectualmente o projeto", para que pudesse, pelo menos teórica ou simbolicamente, ser apresentado e defendido no legislativo. Criaram então uma Comissão Especial de 40 membros, para debater o projeto. Esses 40 membros são tidos e havidos como especialistas em corrupção.

(Esqueceram ou não se lembraram de incluir empreiteiras roubalheiras, envolvidas no mensalão e no petrolão, conhecedores irrefutáveis do assunto corrupção. E o projeto não precisa deles, os 10 itens são insubstituíveis).

Mas como o objetivo era e é jogar o projeto para o espaço, essa Comissão tem 40 membros. Serão ouvidos 2 membros por semana, segunda e terça. Só com essa Comissão, portanto, serão esgotadas 20 semanas, ou 5 meses. Agosto, setembro, outubro, novembro, dezembro. Se não houver nenhuma interrupção ou impedimento, o projeto sairá da Comissão no ano que vem.

Aí é outro ano, recesso, na volta, eleição do presidente da Câmara, com mandato efetivo de 2 anos. E a tentação não efetiva, mas constitucional de substituir o Presidente da Republica. Com o Congresso já mergulhado na disputa nada fraterna da decisão que já começou: com REELEIÇÃO ou sem REELEIÇAO?

Existe um ambiente de satisfação no Legislativo em relação a esse projeto. E também a propósito da Lava-Jato. A prisão dos proprietários da Queiroz Galvão, foi intitulada, "Resta 1". Como inicialmente o roteiro da investigação tinha 34 fases, e esta foi a de numero 33, mais do que coincidência, alegria geral. Para obterem esclarecimentos, o primeiro dos 40 a serem interrogados, será Sergio Moro. E como não resistem a tanta impaciência, ele será ouvido hoje.

O projeto Renan Calheiros: sem autoridade, mas com descaramento  

Logo que o combate á corrupção chegou á Câmara, o Senado se movimentou para enfrentar e destruir o prestigio da equipe de Curitiba. A Lava-Jato tem resistido a todas as ofensivas, vindas dos mais diversos setores. Principalmente dos mais poderosos e biliardarios senhores, corruptissimos mas sempre imunes e impunes. Por intermédio de famosos como advogados e donos de restaurantes, tentaram descongestionar acusações no Judiciário, sem o menor sucesso.

 Renan Calheiros, como senador e presidente do Senado, decidiu assumir a defesa da corrupção, com um projeto de sua autoria, intitulado, "Abuso de autoridade". Tem também 10 itens, copiando o projeto popular contra a corrupção. Nenhuma coincidência. Apenas deixando bem claro, que a comparação foi rigorosamente intencional. E Renan, audaciosamente, coordena seu projeto, que em cada linha ou parágrafo,tenta atingir Delegados, Ministério Publico, juízes Federais, principalmente Sergio Moro.

Ontem, em horário nobre da televisão, na folga dos restaurantes, o advogado mais caro, defendeu o "projeto Renan". Suas "justificativas" são tão absurdas e abusivas, que em outro país, já deveria estar contratando um causídico para defendê-lo. Teve a audácia de afirmar: "O projeto do senador Renan é dirigido diretamente para os pobres, que sofrem todos os tipos de perseguição. Sem terem nem o direito, nem os recursos, ou as condições de se defenderem".

O advogado esqueceu ou não se interessou de revelar quantos pobres já defendeu. E como fez fortuna com esses clientes. Os restaurantes surgiram com a riqueza da pós-advocacia, e se manter com a Lava-Jato. Portanto, alem da heresia de deturpar o sentido do projeto de Renan a contradição e a cumplicidade da convivência, com esses poderosos que roubam o dinheiro dos pobres. Imaginem de onde vem o dinheiro que enriquece advogados famosos ?.

O presidente do BRA desco, é réu e pode ser preso por propina

 Seu nome é Trabuco, e quase foi Ministro da Fazenda de Dona Dilma. Convidado, quase aceitou, o banco vetou, "ele é insubstituível". Teria ficado pouco mais de 1 ano, como ficou Levy, o segundo Joaquim, indicado pelo próprio banco. Comandou riquíssima campanha publicitária, tentando ligar as 3 primeiras letras do banco e do país. È BRA de bradesco e BRA de Brasil.

Com as falcatruas flagradas pela Receita, seus clientes devem mudar de banco, BRA dando revoltados: cobram juros de 400 por cento ao ano, e sonegam 4 bilhões. E se o presidente for preso como parece, podem afirmar: o prestigio e a honestidade deles, apenas BRA vata. Na verdade eles são, sem contestação, apenas BRA nqueiros.

Cunha: desarvorado e desesperado

Anteontem, terça, vários deputados foram á tribuna, pedirem a pauta, urgente da cassação de Cunha. As galerias, lotadas, gritavam "fora, Cunha", com o maior entusiasmo. Rodrigo Maia, ontem anunciou: "Na segunda, lerei o relatório da CCJ, a favor da cassação de Cunha". Acontece que apesar dessa decisão, não ha prazo para marcar a pauta, O presidente reafirmou: "Votação só com 400 deputados no plenário".

De uma certa maneira, Maia tem razão. Cunha continua pressionando apaniguados, para não comparecerem. Diz que 200 já concordaram. Sua palavra não vale nada, mas por que arriscar? O compromisso deveria ser dos outros partidos: garantirem a pauta com 300 deputados presentes. Não é nem difícil nem impossível. Basta convicção e credibilidade, que vem faltando exatamente desde o ano passado.

Ontem, Cunha entrou com recurso no Supremo, pedindo a anulação da sessão da CCJ, Alegação: houve irregularidade. Relator sorteado: Ministro Barroso. Nem ele nem os outros Ministros, votarão a favor do pedido de Cunha. O Ministro Barroso já disse publicamente: "O Brasil está doente". O remédio não é manter o corrupto com mandato e em liberdade.

Temer pressiona o Senado

O presidente provisório, está cada vez mais impaciente

Temer dá sinais visíveis: não agüenta mais a espera pela efetivação. Já cooptou um numero enorme de senadores. Na Comissão e no plenário. O mínimo de senadores a favor do impeachment, é de 60. Que será confirmado no dia da votação final. Mas apesar disso, se irrita só em saber que falam em "prorrogação" da decisão. Não ha prorrogação. A Constituição, artigo 86, fala que o julgamento "pode levar até 6 meses". Se não terminar nesse prazo, "o presidente volta ao cargo e o processo continua". Transcorreram apenas 3 meses.

Temer, inquieto e assustado, resolveu pagar o preço cobrado por Renan. Quando o processo chegou ao Senado, Renan afirmou: "Não vou acelerar nem retardar o processo. Agirei como um magistrado". Era o seu preço e uma ofensa á Justiça. Agora Temer cedeu. O ministério do Turismo está garantido para o indicado de Renan. A pressa de Temer, em se mostrar ao mundo como presidente de fato, inacreditável.

A Olimpíada será um sucesso completo

Só comparável a de Barcelona, pelos jogos e pelo legado. A Olimpíada transformou completamente a cidade indescritível. (E para mim, notável, foi onde nasceu meu pai). Barcelona era de costas para a praia, virou, agora é de frente, satisfação geral para a população. No Rio não precisa isso.
Muita coisa excelente, principalmente em matéria de transporte. Ou na construção de quadras diversas, que a população aproveitará diariamente. Assistirá também uma disputa esportiva sensacional, entre China e EUA. Acho que no quadro geral de medalhas, a China chegará à frente. Mas o primeiro lugar em  quantidade de ouros, será decidido provavelmente na ultima ou penúltima prova.

Triste, melancólico, deplorável e lamentável a participação esportiva do país. Com 465 participantes, não existe no quadro de medalhas. Alguns "patriotas" falam que o Brasil conquistará 14 ou 16 medalhas de ouro. Pois este repórter, analista e patriota, (se m aspas) com o maior esforço, não consegue chegar nem a 7 e 3 no vôlei, uma ou até duas no futebol, possivelmente uma na ginástica artística. Nenhuma culpa dos atletas e sim dos mais diversos governos, que não dão a menor importância ao esporte.

PS- Até o futebol, que já foi paixão nacional, e sensação mundial, completamente abandonado. Entregue a um corrupto, que não pode nem sair do Brasil, com medo de ser extraditado. Confissão maior de crime não existe.

PS2- Única e maior satisfação: a abertura, amanhã, espetáculo de beleza, criatividade e amor a tudo que é inesquecível. Uma palavra que se pronuncia com entusiasmo.


Um comentário:

  1. A podridão das águas matadas, a putrefação do transporte megalomaniacamente superfaturado, os acordos com a bandidagem em todos os níveis, capitalismo de quadrilha, as cifras de 7
    zeros que passam distantes das vielas das favelas.

    No paìs olìmpico, a luta está apenas começando, pelo saneamento desse esgoto moral e espiritual ao céu aberto.

    Há quem creia no progresso enquanto lei. Creio mais nele enquanto luta incansável e desprendida à posteridade.

    ResponderExcluir