Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Eduardo Cunha textual: "Não serei cassado". Temer "protege" Cunha

HELIO FERNANDES

Ele foi a São Paulo ouvir o depoimento do lobista que o delatou. No primeiro depoimento, afirmou que pagou ao ex-presidente da Câmara, pessoalmente, 5 milhões de dólares. Agora confirmou, com as mesmas palavras e o mesmo total de dinheiro sujo, ou seja, do petrolão. De SP, ficou em contato com apaniguados. Não largou o celular, recebendo noticias da reunião de Rodrigo Maia com os lideres de diversos partidos. Tentavam marcar a data para a cassação do seu mandato.

Curioso mas não surpreendente: isso foi anteontem, segunda, estiveram reunidos por mais de 3 horas. Discordaram do principio ao fim, encerraram sem uma definição sobre a data. Concordaram em ler o relatório da CCJ, recomendando a cassação. Foi lido, conforme informei. 

Mas não chegaram a acordo em relação á data final e decisiva do relacionamento dele com a Câmara. Voltou para Brasília ontem, terça, ficou o dia todo no seu apartamento "funcional". Os deputados entravam e saiam, se revezavam.

Cunha ficou impávido, não demonstrava preocupação visível. Para todos repetia o que está no titulo desta matéria. Alem de insistir monotonamente, "não serei cassado", pedia que comunicassem isso a todos, Como palavra de ordem a ser cumprida. E não deixava de lembrar: "Meu plano não tem falhas, mas depende de vocês não comparecerem na data que eles marcarem".
i
Alguns comentavam que haveria mobilização total, até mesmo do governo. Aí ele contestava ou deixava entrever, mas não estava mentindo: "O governo não fará nenhum esforço para que haja numero e garantirem a cassação. E ninguém da base será punido por não comparecer". Mesmo considerando difícil para o governo "colaborar" com a salvação de Cunha, ficavam em silencio.

Mas Cunha, que não parou de falar, fez a ultima confidencia do dia, ontem, terça: "Meu compromisso é de não criar problemas, se a minha cassação acontecer depois do afastamento definitivo da Presidente Dilma. Mas se eu for cassado antes, nenhuma razão para que eu fique silencioso".   

Com esses personagens, tudo pode acontecer. Só que existe uma realidade mais do que visível e não pode ser negada: se o presidente provisório quisesse ou se interessasse, Cunha ficaria sem mandato, até mesmo hoje, quarta feira. Ou até amanhã, quinta feira, quando habitualmente não ha número para coisa alguma.
O presidente Rodrigo Maia já declarou: "Sessão marcada é para ser realizada".

Falou isso em relação à votação. Mas a cassação de Cunha, que começou em novembro, é hoje o fato mais importante. Alguns têm realmente receio de que não haja numero. O receio de outros ou de muitos, é que Cunha cumpra o que disse no depoimento na CCJ: "Hoje, sou eu o atingido.Depois podem ser 117 de vocês".

Na verdade, pelo menos ontem, para Temer, só uma preocupação: o que acontecia no Senado. Em parte era verdade,já disse:ele está com obsessão pela efetivação e se transformar em presidente.E com isso, justifica(?) o fato de abandonar a cassação do ex-presidente da Câmara. Mesmo sabendo que a omissão do Planalto-Jaburu, significa cumplicidade com a impunidade. Temer acha que 
pode tudo, mesmo que esteja cada vez mais impopular.

Temer ficou a tarde toda em contato com senadores, mesmo os que não fazem parte da Comissão Especial. Mas votam no tiro final e fatal no plenário. Às 21 horas falou com Aluizio Nunes Ferreira: "Quero saber o resultado, assim que houver a votação". O líder, estranhou,respondeu: "Pode avançar pela madrugada, presidente". Ele disse, até irritado: "Não importa". È lógico, não tem nada a fazer, o que interessa é que não haja surpresa.

O ouro de Rafaela, advertência a presidentes

Os jogos Olímpicos se constituem num sucesso completo. Na realização. No legado. Na grandeza e na beleza do que se viu e se vê. Mas o único ouro conquistado, merece como está se verificando, o entusiasmo e até empolgação que está sendo merecidamente destinado á jovem Rafaela. Injustiçada em Londres em 2012, desclassificada, criticada, abandonada. Mas não desistiu. Resistiu. Apoiada pela família, principalmente a irmã e técnica, venceu o campeonato mundial. E agora o ouro Olímpico, que mudará toda sua vida.                                                                                                           
 Os governos do Brasil, todos eles, deveriam cuidar do esporte, como fazem os EUA ha muito tempo. E agora a China com o mesmo sucesso. Eles dedicam ao esporte, o maior interesse, como fazem com a educação e a saúde. As escolas e universidades, fazem periodicamente, testes vocacionais com os alunos. E se a tendência é pela pratica esportiva, passam á condição de esperança, têm que continuar estudando, mas são estimulados. Não pelo que o esporte representa individual, mas também coletivamente.

Rafaela conquistou seu espaço na vida. Mas e os outros milhares ou centenas de milhares, não apenas pelo ouro, mas pelo que o esporte representa. Temos 5 mil e 500 municípios. Se em cada um deles, houvesse um centro esportivo, uma preocupação com a melhoria de vida para todos. que maravilha.

O custo seria baixíssimo, o resultado, uma juventude interessada e voltada para tantas coisas que não sabem que existe. Mas isso deveria caber aos que fazem da política a arte de governar os povos, e não transformá-la em politicalha. Que nem precisa de definição.

PS- Houve de tudo na sessão que começou ás 9 da manhã. E agora, ás 23, ainda não acabou. 14 horas com todas as contradições possíveis e impossíveis. Às 22 horas, sensatamente, o senador Aécio Neves fez a proposta de suspender a sessão, que acabaria na madrugada de quarta, para a própria quarta, mas ás 10 da manhã.

PS2- começou então um verdadeiro festival Wagner, nada musical. Muitas tolices foram pronunciadas, sem constrangimento. O senador Cássio Cunha Lima, preocupado "com o povo, que "tanto espera de nós, não suporta tanta CATIMBA".

PS3- Recorrendo a uma palavra nada parlamentar, ele contrariava o autor da proposta, presidente do seu partido. Na ânsia de aparecer, falava contra o presidente do PSDB, partido que ele lidera.

PS4- Na verdade, acabe a hora que acabar, nenhuma importância. Não existe uma possibilidade em um milhão de haver outro resultado: maioria a favor de continuar o processo de impeachment. Estavam presentes os 81 senadores.

PS5- Seria ótimo que os deputados tivessem o mesmo respeito pelos mandatos. E comparecessem em massa, no dia da cassação do mandato de Eduardo Cunha. Afinal, é apenas 513, Essa palavra APENAS, aqui tem duplo sentido.

PS6- Terminando e começando a quarta feira. Hoje, ás 22 horas, a seleção masculina de futebol, entra em campo novamente. Não quero criticar ninguém, todos têm direito a voz e a voto. A seleção não está eliminada. Mas é bom recordar: em dezenas e dezenas de anos, nas mais variadas oportunidade, o Brasil jamais ganhou o ouro Olímpico. Por que agora, a seleção está obrigada a vencer, se outras, até melhores, não venceram?


Um comentário:

  1. Concordo completamente com a advertência aos presidentes, o esporte no Brasil é negligenciado e agora durante a Olimpíada todo mundo quer ouro. Os atletas brasileiros estão de parabéns, só por estarem lá mesmo com todas as dificuldades. E Hélio continua prevendo as coisas, Cunha não será cassado e não há salvação para Dilma.

    ResponderExcluir