Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

A reforma da Previdência

HELIO FERNANDES

"Vitorioso" no teto surrealista, e fingindo que governa mesmo, o presidente indireto se volta para o novo objetivo: a reforma, ou melhor, atualização da Previdência. Esse é um assunto sempre na pauta, retirado ou derrotado. Com os mais diversos nomes, sempre foi um dos órgãos mais roubados, naturalmente antes do mensalão e do petrolão.

Não foi á falência por causa dos recursos, que fortaleciam obrigatoriamente seu caixa. Os desfalques eram ininterruptos no INSS, corroborados ou negligenciados por ministros-senadores, demitidos por irregularidades, mas que não tinham suas carreiras interrompidas. 

E outros Ministros sem tantos títulos, também contribuíram para a ruína do importante provisionador do futuro de milhões de trabalhadores.

Que ficaram á beira do precipício da não aposentadoria. Por causa da roubalheira do dinheiro recolhido. E dos privilégios e vantagens concedidos a personagens poderosos. Como o próprio presidente indireto, em plena atividade do não fazer. Mas do receber. Com duas aposentadorias altamente remuneradas e no caminho da terceira.

O Ministério da Previdência teve a sorte de 2 ministros acima de qualquer suspeita. Corretíssimos e excelentes administradores. Waldir Pires e Rafael de Almeida Magalhães. Os dois, deputados, que saudades, fui intimissimo deles. Que contraste com a quase totalidade da Câmara de hoje. O edifício da Previdência se chama Waldir Pires, poderia ter também o nome do Rafael.

Começaram a trazer a Previdência para as manchetes, com o comprovado aumento da durabilidade. As pessoas estão vivendo muito mais, descobriram que seria necessária modificação no sistema. Foram fazendo testes e experiências, nada em profundidade ou com resultados realmente proveitosos.

Temer quer aprovar o teto da Previdência

Ao viajar pela quarta vez para o exterior, deixou a advertência ou recado: "Assim que chegar, começarei a cuidar da reforma da Previdência, espero aprová-la ainda em 2016". Esse é o verdadeiro fracasso anunciado, de forma imprudente e imprevidente. Os caminhos com dificuldades dezenas de vezes com mais obstáculos do que a imposição do teto de gastos.

Tem que enfrentar problemas os mais diversos. E mesmo que consiga suplantá-los, a vitoria ou a consolidação do sistema, ainda estarão distantes. Enquanto viaja, começou a receber ajuda do ex-presidente FHC. Salvo do impeachment, que seria obrigatório, pelo presidente da Câmara, o próprio Michel Temer, ontem, em entrevista, tentou retribuir.

Traduzindo: o ex-presidente confessou que tentou fazer a reforma da Previdência, sem sucesso. Apesar do então presidente da Câmara ter contribuído com sugestões, "inovadoras e surpreendentemente positivas". FHC tentou "calçar o caminho de Temer, mostrando que ele conhece o assunto". Pode conhecer, mas tem que vencer problemas majestosos. 

Não só visíveis no limite da idade para a aposentadoria. Como por exemplo, os privilégios inomináveis do Congresso, e de outros setores poderosos e inatingíveis. Altamente beneficiados.

O jornalista Elio Gaspari citou nominalmente, parlamentares que recebem aposentadorias suntuosas. Deputados se aposentam com salário integral, apenas com 2 mandatos, 8 anos. Senadores com 1, os mesmos 8 anos. São mais de 600.

Imaginem o custo. 

O próprio Temer, recebe 33 mil mensais de aposentadoria ha muito tempo. E agora, mais 35 mil, como presidente indireto. Se ele abrisse mão desses 33 mil, talvez a repercussão favorecesse a reforma. E ainda existem os juízes, que afastados por irregularidades, se aposentam com salários integrais.

Putin rejeitado

Ele é mais lembrado e citado como Chefe da KGB da União Soviética, do que como primeiro ministro ou presidente da Rússia. Uma coisa é certa: não é um democrata. Está mais para temor de uma guerra no mundo. Sua atuação na Criméia e na Ucrânia, inesquecíveis. E agora na Síria, sua devastadora participação a favor da manutenção do ditador no poder.

O presidente da França, François Hollande, pediu a ONU, o enquadramento de Putin como criminoso de guerra, o que ele é, realmente. E como Putin está de viagem para a própria França, seu presidente afirmou: "Não posso impedi-lo. Mas não irei me encontrar com ele". Diante disso, Putin cancelou a visita.

Líder do governo-Presidente do Banco Central

Não podiam escapar de afirmações estapafúrdias e desconexas. O primeiro: “A aprovação fácil da PEC do teto dos gastos, vai contribuir para a aprovação também fácil, da reforma da Previdência". 

È incrível que quem faz declaração como essa, seja líder de um partido e de um governo, que pretende comandar um legislativo com 513 representantes. Não existe a menor relação, entre a PEC dos gastos e a reforma da Previdência.

Ele não fica pelo menos envergonhado?

O segundo: "A facilidade da tramitação e o resultado final, abriram caminho para a redução dos juros". E complementou: "Na próxima quarta feira, dia 19, devemos reduzir a Selic, em 0,25 por cento". Não percebeu que deveria ter ficado calado. Com os juros em 14,25, muito melhor se manter em silencio, do que acenar com "redução" como essa. Os dois já deveriam ter sido demitidos, imediatamente seguindo as declarações.

Contradições de Meirelles

24 horas depois de tomar posse, entrou no assunto importantíssimo: "Precisamos cuidar da divida publica, atingiu níveis perigosos". Rigorosamente verdadeiro. Não falou mais, foi aconselhado ao silencio. Agora, ha uma semana em Washington, aparece varias vezes na televisão. Sempre discordando.

Ontem o assunto da vez foi a chamada repatriação do dinheiro sujo no exterior. Era entusiasta, chegaram a falar em 150 bilhões. Comparavam com o déficit operacional de 170 bilhões recebido de Dona Dilma. Inesperadamente surgiram complicações e até redução. Surpreendentemente, o Ministro da Fazenda proclama: "Esse dinheiro não é fundamental, nem estamos ansiosos nem fazendo exageros para repatriá-lo". Indecifrável.

PS- Almoço a três no Jaburu. Temer, FHC e Gilmar Mendes. Nenhum sentido ou explicação, apenas a necessidade de utilizar um dos 3 palácios que tem á disposição. O ex-presidente, encontro inútil e desnecessário.

PS2- Já o Ministro presidente do TSE, contradição, leviandade e até irresponsabilidade. O mais alto tribunal eleitoral do país, investiga a campanha eleitoral de Dilma - Temer, deveria evitar essas conversas publicas e comprometedoras com um dos acusados.

PS3- Anteontem, o ex-senador Delcidio Amaral, fez depoimento contundente no TSE, confirmando o uso de propinas na campanha presidencial. No dia seguinte, ontem, o presidente do TSE vai almoçar com o acusado. Altamente compreensível.


2 comentários:

  1. Celebraremos em breve, 17 de outubro, o aniversário de 96 anos do genial e combativo Hélio Fernandes.

    Figura certamente entre os mais lúcidos e combativos jornalistas de diversos e dolorosos tempos do último século de história do Brasil.

    Sou grato a Deus por poder lê-lo ainda hoje, atual, surpreendente, de espírito inteiro.

    Recordemos o inesquecível Millôr Fernandes!! Eternamente vivo em outro plano. De palavras e expressões extrema e permanentemente vivas e úteis em nosso mundo.

    Viva o também incansável, no bom combate, Hélio Fernandes!!

    Seu trabalho imprescindível reverbera por gerações em nossa contraditória escalada civilizatória e constrói marcas indeléveis nas ideias que mobilizam corações e mentes de honrados leitores em sua atuação decisiva na história.

    ResponderExcluir
  2. Uma lúcida e honesta analise.Põe o pingo nos is!A previdência foi o capital do trabalhador mais roubado no brasil.E agora inventaram a imortalidade do trabalhador.O gigante adormecido precisa acordar.

    ResponderExcluir