Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

O terrorismo machista invade a prefeitura.

20.11.15
HELIO FERNANDES

Existem os mais diversos, clamorosos e variados tipos de terrorismo. Agora, nas manchetes, a barbaridade e covardia dos que pretendem apavorar o mundo, a catástrofe ambiental e o tenebroso assalto ás mulheres numa violência que vai crescendo de forma violenta e assustadora. Pesquisas revelam que 13 mulheres são assassinadas diariamente no Brasil e a impunidade aumenta de forma incontrolável.

O terror e o temor estão dentro de casa, são maridos ou namorados, viram ex-quando; o relacionamento se desfaz, mas a lembrança permanece para sempre, até quando vai ao dentista para recolocar um dente, arrancado com um soco.

O personagem de hoje se chama Pedro Paulo, é Secretario, quer ser prefeito futuro apoiado e recomendado pelo prefeito atual. Pedro Paulo para se recuperar das duas surras aplicadas na mulher "agora ex", tem que mentir sobre o fato e ditar como se fosse psicanalista,” não sou violento, APENAS perdi o controle".

Eduardo Paes para garantir a herança do amigo, herança que depende dele, não precisa nem de herança, alinha argumentos nada olímpicos: “Essa é uma questão particular nada a ver com a vida publica, Nem é preciso insistir no lugar comum ou chavão," homem publica não tem vida particular”. Ou melhor ainda, mostrar sua convicção mesmo atingindo o amigo e herdeiro:” Ninguém bate em mulher principalmente o marido ou namorado".Como o quase futuro ex-prefeito afirmou que foi uma briga comum de casal", não parece porque logo surgiu a separação, aí sim fato normal desde que civilizado.

Mas alem de tumultuada, rumorosa e cheia de violência, teve que mentir e intimidar a agora ex-mulher. Obrigou a ex-mulher a dizer que não foi agredida , num documento que se provou falsificado. E em vez de uma agressão, foram duas. O Secretario, que, quer ser prefeito futuro com apoio do atual, teve que confessar a segunda, não conseguiu desmentir a documentação da revista Época.

O candidato (?) desgastadíssimo e já sem chances de ver seu nome confirmado, contaminou o próprio como parecia.  Eduardo Paes, que agora já se assusta e teme perder o futuro brilhante como parecia ser. Eduardo Paes utilizou um roteiro escrito por ele mesmo, não é o seu forte. Podia ser mais inteligente, difícil. Derrubar a Perimetral bem mais fácil, pelo menos parece.

Os últimos 14 meses da sua administração, turvos, inquietos, desacertados. Como é que explicará ao eleitorado, feminino mas também masculino, que está justificando as duas reações impiedosas em nome da garantia de ter no seu lugar um agressor confesso de mulher ?

Paes deveria dar demonstração de espírito publico incontestável, retirando a candidatura que desapareceu. E mais elogiável ainda, demitir o amigo do cargo que ocupa, voltaria a acreditar no futuro, conquistando o governo do estado, que parecia ser o objetivo.

Ainda será? . O amigo confirmaria o ostracismo, ele voltaria a trabalhar para ser governador, supostamente sua grande ambição. 

 O enlameado Eduardo (Samarco) Cunha

Ha 40 anos, o barão de Itararé, o maior critico, irônico, humorístico e caustico A Manha sua geração, escreveu no lidíssimo semanário Mas a Manha,sobre o presidente da já corrupta Vale do Rio Doce:"Ele bebeu o rio,comeu o doce,deixou o vale na caixa". Não podia ser o atual presidente da Câmara, não tinha idade Mas agora, com todas as credenciais negativas para isso, transformou o plenário da Câmara num lamaçal ainda maior do que o de Mariana e das cidades vizinhas.

È impressionante o que acontece ha meses e que tentam prolongar por tempo indeterminado mas o mais longo possível,num plenário com 513 personagens dos quais Cunha controla apenas 20 ou 30.Já teve com ele mais de 200 que o elegeram para o cargo mais alto da Câmara e o terceiro da Republica.Agora não se salva de jeito algum,embora use e abuse do que existe de mais sórdido,política,moral e idiomaticamente.

Nos bastidores vale tudo. Havia reunião da Comissão de Ética,marcada para ontem.Como  o  Regimento determina que quando começa reunião  do plenário para discutir a Ordem do Dia, não pode haver nenhuma  Comissão reunida, convocou o plenário para a mesma hora,    a de Ética teve que encerrar os trabalhos.

Onze integrantes, todos contra Cunha, foram para o plenário, fizeram discursos violentos condenando-o. Ele marcou a reunião da Ética ,sem constrangimento para a próxima terça feira. O plenário continuou incendiário e incendiado, não havia clima para votar coisa alguma.

Roteiro escrito pelo corruptissimo Cunha: pretende repetir o que aconteceu em 2007 com Renan Calheiros. Depois de enorme luta conseguiu: deixou a presidência do Senado, continuou senador. Só que o caso de Cunha é mais tortuoso,complicado e sem salvação. Seu problema não se encerra na Comissão de Ética ou no plenário. Se continuar deputado,será julgado e c o n d e n a d o pelo plenário do Supremo. Se perder, será julgado e c o n d e n a d o pelo Juiz Sergio Moro. 

Está se emporcalhando, enlameando a Câmara, envergonhando o país, mas acabará na Papuda.

França: mais três meses de emergência
A quarta feira foi a mais tumultuada desde a triste e aterrorizante sexta feira treze. As investigações se aprofundaram, muita gente foi presa no país e na Bélgica, os organizadores dos ataques foram identificados, dois dos principais foram mortos. A intranquilidade é total e geral, não podia ser de outra forma. Levará tempo para que a vida em Paris e na França seja a mesma de antes.

Os terroristas, agora, alem do armamento têm um instrumento intimidativo que não tinham antes: a ameaça. 

OS - Com esse recurso obtiveram duas vitorias. A primeira, cancelamento do jogo Alemanha - Holanda. A segunda, um avião da Air France, obrigado a voltar ao aeroporto intimidado pela possibilidade de uma bomba a bordo, como aconteceu com o avião que saiu de São Petersburgo, que explodiu no ar, matou 224 pessoas, só que no caso não houve aviso nem intimidação, queriam assassinar mesmo.

PS1 - Não existe a menor duvida que a decisão é de alta responsabilidade: atender ou desatender os terroristas? França e Inglaterra realizaram o jogo comovente e emocionante em Wembley, não aconteceu nada. Mas se tivesse acontecido, quem seria o culpado?

PS2 - Por causa de tudo isso a França ficará três meses em emergência. È perigosa essa decisão extrema. A China protestou, mas com que autoridade?
..............................................................................................................
Nossos leitores podem fazer comentários e se comunicar com os colunistas, 
através do: e-mail: blogheliofernandes@gmail.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário