Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

LEWANDOWSKI FULMINA JUIZ E DESEMBARGADOR FEDERAL QUE RASGARAM A CONSTITUIÇÃO. LEVY INSINUA AUMENTO DE IMPOSTOS, E TEM MEDO QUE AJUSTE FISCAL NÃO TENHA SUCESSO.

HELIO FERNANDES
13.01.15

Inacreditável e incompreensível, o que acontece no macrodesgoverno de Dona Dilma, logo depois da segunda posse. Macroconfusão, macromistificação da macrocomunidade.
1 – A Eletrobras deve há anos, 9 bilhões a Petrobras. Roubada e estuprada, a Petrobras não merece (Royalties para o deputado Bolsonaro).

2 – Sem caixa, a empresa mais espoliada da Historia, cobra a dívida. Também sem dinheiro (e ainda mais, subordinada ao ministro Lobão) a Eletrobras recorre a Dona Dilma.
3 - A macropresidente, macroincompetente, autoriza o Tesouro a emprestar (?) esses 9 Bilhões. 4 – O Tesouro pede autorização do Ministro da Fazenda, que nem está no cargo  para o empréstimo (?).

5 – Com o aval desse Ministro, o tesouro autoriza o BNDES a entregar esses 9 Bilhões a Petrobrás. 6 -  O BNDES informa, a macropresidente pergunta se pode “emprestar”.

7 – Com aval desse Ministro que ainda é macroprovisório, o Tesouro dá ordem ao BNDES, o dinheiro está liberado. 8 – O BNDES, com seu presidente assustado pelos empréstimos que fez a Eike Batista, sem garantia pergunta á macropresidente, o que tem que fazer.

9 – Dona Dilma diz, “pode”. O BNDES pede ao Tesouro que liberte o dinheiro. A Petrobras arruinada por todos os corruptos e corruptores, ainda não recebeu o que lhe deviam.

10 – Depois de meses de espera, “sem que ninguém saiba de nada”, alguns presos na operação lava –jato, descobrem, e garantidos pela “delação”, contam ao Ministério Público, á Policia Federal, e o Juiz Federal Sergio Moro.

11 – Não quiseram “compartilhar” informações, mas acontece o “vazamento do sigilo”. Então, todo país fica sabendo. O Ministério da Fazenda, o Tesouro, a Eletrobras, o BNDES, todos são subordinados ao macrodesgoverno da macroincompetente Dona Dilma.

12 – Como dizia Millor há 50 anos, quando Dona Dilma ia completar 17: “Pano rápido”. Ela é herdeira da própria herança desperdiçada. Morreu e também não sabe. Por que saberia?
Levy: “o controle de gastos pode levar á inflação menor em 2016”. Premio Nobel de indecisão. O controle de gastos, suposição. E se houver, a inflação P-O-D-E cair. Magistral para um Ministro que era recebido com reservas por ser tido como muito AFIRMATIVO. Tinha convicções firmadas. Estará sofrendo influência, antes dos fatos?

Outras frases dúbias.

“Ajustes podem aumentar a inflação”. Tudo suposto, o que não é recomendável para um Ministro da Fazenda, do setor mais danificado. Aumentos de impostos serão feitos com cuidados (SIC). Aumento de impostos não deveria nem ser considerado. 38% por cento de quase todos, já não é exagero?

Foi á internet acreditando que seria um sucesso. Respondeu 8 de 400 perguntas, apenas dois por cento. No mínimo é um péssimo analista da própria competência. Nelson Barbosa, em entrevista na TV e entrando no clima da presidentA: “Falei sobre salário mínimo no futuro, a presidentA me pediu para explicar, que não ficasse dúvida”.

Nenhuma dúvida, foi repreendido, desautorizado e desmentido publicamente. Recusou imediatamente, queria ser Ministro há tanto tempo (desde que era segundo de Mantega), por que jogar fora o que conquistou?

Não é da equipe do segundo Joaquim, pode vir a ser Ministro, mas só se o segundo Joaquim se render á realidade.

Lewandowski.

Com o Supremo em férias, coube ao presidente examinar a extravagante, esdrúxula e decisão terrorista de um juiz da Vara Criminal de São José do Rio Preto, confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região. O que pretendiam que o repórter e o jornal revelassem "as fontes da informação".

Esse um atentado a liberdade de Imprensa e de expressão, sem o sigilo das fontes de informação não há jornalismo. A Associação de jornais recorreu a Lewandowsi anulou a decisão, provisoriamente. Mas logo depois do recesso, se transformará em definitiva.

A Constituição garante o sigilo, o Brasil assinou a Ata de Chapultepec, que garante o sigilo das fontes de informação. Na sede da 4ª Vara Criminal de Rio Preto e do Tribunal Federal da 3ª região, deve ser colocado um painel grande e permanente: "Não somos, nunca fomos, jamais seremos CHARLIE".

Marta Suplicy.

Eterna carreirista, (não confundir com cartunista) está desesperada com o fim da carreira. Entregou ao Controlador Geral da União documentos contra o ex-ministro da Cultura e agora novamente.

Juca Ferreira comentou singelamente, o que revoltou ainda mais Dona Marta: "A ex-ministra atirou em Deus (Dilma) atingiu um padre de paróquia". (Ele mesmo). Dona Marta queria polêmica, para sair do PT como "perseguida". Uma das formas do TSE aceitar a mudança de partido.

PS – O nome Joaquim está em alta. No Brasil existem dois. O primeiro, que (momentaneamente) saiu do palco. E o segundo, que (momentaneamente) entrou no mesmo palco.

PS2- Pois agora na França, surge o terceiro, só que Joachim, como se escreve lá. Foi o criador (instantâneo) da frase, “Je Suis Charlie”. (Se tirar o I, fica ”Eu sou Jesus”).

PS3- Agora famoso no mundo todo, Joachim vem a público, e generosa e exuberantemente, diz: “Não quero lucrar nada com a frase, ela pertence ao mundo”.

PS4- O governo da França anuncia “reforço” de 10 mil homens na Segurança. Ótimo. Mas o que precisa mesmo ser reformado e reforçado é a Inteligência. Este é o sistema que prevê, mas muito bem administrado.

PS5- Não me esqueci de outro Joachim (Low), campeão do mundo de 2014, e autor do inesquecível 7 a 1. Ontem, na premiação da Fifa, recebeu merecidamente o título e a medalha do melhor técnico de 2014.


Nenhum comentário:

Postar um comentário