Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

A SURPREENDENTE ANTECIPAÇÃO 
DO JULGAMENTO DO CANDIDATO LULA

HELIO FERNANDES

Todos, contra Lula ou favor dele, acreditando na confirmação da condenação ou na reafirmação da sua inocência, tinham uma certeza. A decisão do TRF4 não antes de junho ou julho de 2018. O desembargador Regional Federal, Thompson Flores, presidente d o TRF4, deu duas entrevistas na televisão falando sobre o assunto.

E nas duas deixou entrever e até antever, que a pauta com processos vindo de Curitiba, estava com trabalho demasiado. E até revelou o que pouca gente sabia: o TRF4 tem 7 desembargadores, mas apenas 3 recebem os processos do Juiz Moro, estudam e decidem. E acrescentou: "Mas estão com muitos processos que chegaram antes".

Terminado o trabalho, os 3 Desembargadores, dando por concluído o julgamento, enviam para o presidente do TRF, que então tem a primeira participação: incluir na pauta para a decisão final .Esse 24 de janeiro, anunciado anteontem, provocou perplexidade geral.

Nos meios jurídicos, controvérsia completa, polemica abrangente, principalmente porque muitos advogados e juristas sabiam que havia divergências grandes entre os 3 desembargadores.Não se conhecia a extensão dessas divergências. Mas quaisquer que fossem ou sejam, a tendência natural seria retardar e não adiantar o julgamento.

ENTÃO, POR QUE ANTECIPAR O JULGAMENTO EM 6 MESES, EM RELAÇÃO À  DATA PREVISTA, SURPRESA ELEITORAL?

Do ponto de vista político, a  confusão, complicação, e até reversão, influem e alteram o quadro presidencial para 2018. Se o julgamento ocorresse em junho ou Julho, Lula já seria candidato, escolhido e referendado pela convenção do partido, os fatos teriam desenvolvimento completamente diferente.

Com o julgamento em junho, mesmo confirmada a condenação do juiz Moro. Admitindo que o TRF4 determine a prisão do ex-presidente, com uma condenação, Lula poderá ser candidato. Com duas ficará inelegível. Mas com o julgamento em junho, faltando apenas 3 meses para a eleição, será difícil, quase impossível, "arranjar" a segunda condenação.

Com o julgamento em 24 de janeiro, praticamente dentro de 1 mês, a coincidência fortuita da antecipação do julgamento, abrirá um tempo enorme para concretização de todos os descaminhos  ou soluções desencaminhadas.

Se o ex-presidente não aparecesse em primeiro lugar em todas as pesquisas para o primeiro e segundo lugar para 2018, estaria havendo toda essa jogatina em torno de datas e antecipações? Lógico que não sou contra julgamentos e condenações, seja de  quem for. Mas julgamento limpo, claro,isento, não premeditado, planejado para favorecer ou prejudicar alguém.

PS- Juristas garantem que mesmo que  dispute a eleição e seja eleito, Lula não tomará posse. Isso pode até acontecer, mas dentro de 1 ano, é muito tempo.

PS2- Fica para janeiro de 2019. Agora tratamos de janeiro de 2018.

PS3- O que ninguém admite: que 4 desembargadores do TRF4, VOTEM 1 ANO ANTES QUE 140 MILHÕES DE CIDADÂOS ELEITORES.

13 DE  DEZEMBRO DE 1968

O inesquecível A-5, que começou no dia 12 na CCJ ( Comissão de Constituição e Justiça da Câmara) presidida pelo bravo Djalma Marinho. Pediram a cassação do mandato do deputado Marcio Moreira Alves, notável como jornalista, e honrando com bravura seu mandato. Djalma Marinho fez brilhante e vibrante discurso, contra a cassação.

Seguido pela maioria, seu mandato foi salvo, mas o país mergulhou no tenebroso mundo daquele inominável AI-5 o pior da Historia. A Câmara estava atolada e envergonhada pela presença de esbirros do SNI.

O alto comando da ditadura, em Brasília, queria o fechamento do Congresso, e a edição desse Ai-5 já preparado pelo bastardo Ministro da Justiça. Costa e Silva estava no Rio, atendeu  2 telefonemas de generais, que queriam providencias ainda naquela noite.Deu ordens ao Chefe da Casa Militar: "Hoje não atendo mais ninguém". E ficou vendo filmes com 2 amigos.

1968 foi o auge  do golpe. Em 66 fui cassado, 67 Fernando de Noronha, 68 a continuação da perseguição. Eu garantira, "não saio do Brasil", fiquei até o fim.
No dia 13 fui para  o jornal, sabia que ia acontecer alguma coisa, mas o jornal era a minha trincheira, onde sempre me encontravam para me prender. Já estavamos com censura previa, começara no dia 15 de junho desse mesmo 68.

Fui para casa, cheguei por volta das 7 para jantar com Rosinha e os meninos.Às 8,30, Jornal Nacional, o Alberto Cury lê o famigerado -Ai-5, me visto, vou para o jornal, sabia que seria um dos primeiros presos.

Vou resumir, ficar só nesse dia. 22 horas sou preso e levado para o Regimento Caetano de Farias. Na entrada, estreita, um sujeito anotava nomes. Perguntou o meu, respondi, Helio Fernandes, ele pareceu assustado, perguntou, " o senhor é o próprio"?

O primeiro que encontrei, Osvaldo Peralva, editor do Correio da Manhã, notável figura, grandes amigos. Escreveu um livro extraordinário, "O Retrato". Comunista convicto, passou 1 ano na União Soviética como  correspondente, colocou o tamanho da sua decepção. O livro é lancinante, se alguém conseguir encontrá-lo terá enorme emoção com a admiração e a decepção, as duas com total sinceridade.

Às 9 da manhã chega Carlos Lacerda, ás 3 da tarde, Mario Lago. Como tinham outros presos desconhecidos, o Mario, gozador, foi preso no Teatro Santa Isabel, fazia  o papel de um escocês, com aquelas roupas características. Falou: "Aqui só quem me conhece é o Helio e o Lacerda, já estivemos presos antes, estou vestido assim, mas não sou viado" A palavra gay ainda não existia. 


PS- No dia 6 de janeiro, Dia dos Reis, fomos soltos. Os generais eram torturadores, mesmo que não fosse fisicamente, mas respeitavam os dias santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário