Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

domingo, 30 de julho de 2017

A CONSTITUINTE DA VENEZUELA SE REALIZOU

HELIO FERNANDES

Ontem, talvez metade da população terá ido votar. No momento em que escrevo, muita gente, principalmente fora do país, acredita que não haverá eleição. IMPOSSÍVEL. Não ha uma possibilidade em um milhão, disso acontecer.

Quanto aos resultados, considero que o governo obterá maioria, mesmo escassa. Maduro pratica todas as violências e intimidações. Mesmo com 1 voto a mais, Maduro estabelecerá os dois fatos que mais lhe interessam.

1- Fechará o congresso, onde a oposição tem dois terços.

2-Desmarcará a eleição presidencial estabelecida para o ano que vem. Prorroga seu mandato ou governa como presidente de partido único.

3-Fará propostas á oposição, inaceitáveis e indecorosas. Recusadas, usará isso, para hostilizar a oposição, e se engrandecer para o exterior (Estou escrevendo antes da eleição, impossível saber quando se conhecerá o resultado).

MAIA: O GOVERNO NÃO PRECISA DA OPOSIÇÃO PARA ABRIR
A SESSÃO, DIA 2

A declaração complicada, encrencada e intrincada, provocou perplexidade. E varias interpretações. A primeira: como se sabe que para começar votação, são necessários 342 deputados, o governo não está apenas otimista, mas vitorioso.

Para impedir a autorização, precisa de 172 votos. Como tem, segundo o presidente da Câmara, o dobro para iniciar os trabalhos, precisa perder 173 votos, para ficar apenas com 171. Uma das suposições: Maia teria feito acordo com um grupo da oposição, que pretende terminar tudo na quarta feira. 

Realmente a Câmara está totalmente dividida. O próprio governo, que joga com deputados corruptados, está em duvida. Justificativa da oposição para dar número agora: "No segundo pedido do Supremo, Temer não terá ou teria votos comprados ou de aliados".

 Faltam 48 horas. Nesse clima e com esses personagens, tudo pode acontecer.
  
DESEMPREGO

Desde 2014, é a primeira queda. Temer assumiu em 12 de maio de 2016, depois da conspiração parlamentar. Eram 12 milhões e 400 mil empregados. O numero foi aumentando, chegou a um total redondo e oficial: 14 milhões. Temer e Meirelles em silencio. Agora foram criadas 500 mil vagas, informais, sem carteira assinada.

Os dois fazem um tremendo estardalhaço. Com todas as restrições sem que se saiba, se é um aumento circunstancial, significa 3,2% a menos no desemprego. È a mais terrível e espantosa crueldade, agora 13 milhões e 500 mil pessoas que no fim de cada mês, não têm o que levar para casa.

Excluídos os famosos ricos que são donos de tudo, praticamente todas as famílias têm gente sem trabalho.

TEMER CONSTITUCIONALISTA, DILACEROU A CONSTITUIÇAO

Ele sabia muito bem que um presidente não pode aumentar impostos por decreto. Tem que ser por projeto de lei, aprovado pelo Legislativo. E só pode entrar em vigor 90 dias depois de aprovado. Fez tudo ao contrario.

Assinou o decreto, que entrou em vigor imediatamente. Um advogado com espírito publico, entrou na justiça.Um juiz com a mesma convicção, recebeu, constatou a inconstitucionalidade, suspendeu o aumento. O governo ganhou, o imposto foi validado. Deputados corretos e não corruptos, recorreram ao Supremo.

Está em recesso, mas a presidente Carmen Lucia, para não perder tempo, sorteou o relator. A comunidade está com sorte, caiu para a Ministra Rosa Weber. Pode ser que  entre em pauta no mesmo dia 2, onde ali em frente o presidente bandalheiro, estará sendo julgado, vitorioso por ter comprado antecipadamente deputados indispensáveis, com dinheiro do povo.

Mas é bem possível ou provável que se repita o que  aconteceu na votação do foro privilegiado. O relator Luiz Roberto Barroso deu um voto magistral. Depois do relator, vota o ultimo ministro nomeado, no caso, Alexandre de Moraes. Desperdiçou 1 hora e 40 minutos, não votou, pediu vista, está com o processo até hoje. Ele é bem homem de repetir a indignidade. 

TEMER CONSTITUCIONALISTA,  DILACEROU A CONSTITUIÇÃO

Ele sabia muito bem que um presidente não pode aumentar impostos por decreto.Tem que ser por projeto de lei, aprovado pelo Legislativo. E só pode entrar em vigor 90 dias depois de aprovado.Fez tudo ao contrario.

Assinou o decreto, que entrou em vigor imediatamente. Um advogado com espírito publico, entrou na justiça.Um juiz com a mesma convicção, recebeu, constatou a inconstitucionalidade, suspendeu o aumento. O  governo ganhou, o imposto foi validado.Deputados corretos e não corruptos,recorreram ao Supremo.

Está em recesso, mas a presidente Carmen Lucia, para não perder tempo, sorteou o relator. A comunidade está com sorte, caiu para a Ministra Rosa Weber. Pode ser que  entre em pauta no mesmo dia 2, onde ali em frente o presidente bandalhireiro, estará sendo julgado, vitorioso por ter comprado antecipadamente deputados indispensáveis, com dinheiro do povo.

Mas é bem possível ou provável que se repita o que  aconteceu na votação do foro privilegiado.O relator Luiz Roberto Barroso deu um voto magistral. Depois do relator, vota o ultimo ministro nomeado, no caso, Alexandre de Moraes. Desperdiçou 1 hora e 40 minutos, não votou, pediu vista, está com o processo até hoje. Ele é bem homem de repetir a indignidade. 

AS FORÇAS ARMADAS NO RIO

Está havendo um tremendo equivoco. Estão sendo aplaudidas na orla da zona sul, deviam estar massacrando os bandidos nos morros. O inimigo não está nas ruas, mas o desespero dos moradores é tão grande, a insegurança tão assustadora que todos querem os militares no seu bairro, na praça perto da sua casa, até mesmo no portão de onde moram.Compreensível.

Essa operação militar nem deveria estar acontecendo. Não por desnecessária, mas porque foi vitoriosa ao mesmo tempo em que se instalavam as UPPs. Uma grande ideia inteiramente desperdiçada pela corrupção, a displicência e a negligencia. Ninguém pode esquecer da debandada e a fuga covarde dos bandidos traficantes, derrotados por essas mesmas forças armadas.

Televisões ganharam prêmios internacionais, filmando centenas ou milhares daqueles criminosos, tentando se esconder em qualquer buraco, ou fugindo, se esperava para sempre. Mas a instalação das UPPs foi um fracasso. O próprio governador que teve a ideia, trocou tudo pelo formidável enriquecimento ilícito. E os bandidos voltaram em massa, mais poderosos, mais ferozes, muitas vezes com a cumplicidade dos que deviam combatê-los.

Os militares têm que deixar a orla, e subir os morros, onde estão os inimigos. Como fizeram a alguns anos, massacrando os traficantes criminosos. E expulsa-los, VIVOS ou MORTOS. E cuidar das fronteiras, por onde passa tudo que serve aos bandidos, incluindo armamento pesado, mais poderoso do que o da própria policia.


E os morros, limpos, entregues á administração civil. E aos seus milhões de moradores, gente boa, que se queixam do maior crime que praticam contra eles: PRECONCEITO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário