Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Reforma da Previdência não é impopular. "Impopular" é a reforma trabalhista com risco. Cunha quer mais tempo

HELIO FERNANDES

Antes de Temer apenas vice "decorativo”, se falava muito na crise da Previdência, que uma tragédia estava a caminho. Ele fingiu que coordenava a política, mas apenas agregava números á sua reconhecida conspiração traição. Não passou nem perto da moralização da Previdência.Dona Dilma tentou um paliativo, com o que se chamou de "aposentadoria 85\95". 

Era uma preocupação, mas não passou disso. Logo depois o plano de Temer dava certo, se concretizou até mesmo a imprevidência da sua ascensão de vice a presidente provisório. Tão repudiada que não teve nem direito a residência oficial. Como determina a Constituição. Mas quem estava interessado em cumprir a Constituição?

Agora ao mesmo tempo em que se diz preocupado, com a interinidade, Temer confirma, “quero conquistar a efetividade, para que possa dar repercussão até mesmo a medidas impopulares". Usa essa expressão se referindo a duas reformas: a da Previdência e a Trabalhista. A primeira é obrigatória, e chegou ao ponto calamitoso em que está, pela desatenção, desapreço e desprezo de todos os que passaram pelos governos a partir de 1964. São 52 anos de imprudência e até desinteresse por um assunto que preocupa o mundo inteiro;

A Previdência foi alvo permanente de roubalheiras, desligadas da política eleitoral e da caixa 2. Os números da corrupção eram assustadores, só diminuídos pelo vulto assombroso das investigações da Lava-Jato. Esse descaminho do dinheiro do contribuinte, só era superado pelo desinteresse com o futuro do aposentado, e o aumento da remuneração. As pessoas viviam cada vez mais, desgovernos desatentos e descuidados, reduziam a idade para as aposentadorias.

Isso acontecia em setores civis e militares, apesar do dinheiro vir do mesmo contribuinte. Apenas exemplos, mas a pratica era e continua sendo genérica e semelhante. O coronel Alcio Costa e Silva, filho do general-"presidente", se aposentou com 40 anos. E ainda teve a subvenção, se confundindo com subversão financeira, aumentada. Porque, na época, ao passarem para a reserva, eram automaticamente promovidos.

O todo poderoso Golbery, artífice dito intelectual do golpe, na ativa, não passou de Tenente-Coronel, Aposentado, ganhou duas promoções foi a general. Não influindo apenas na patente, mas também na remuneração. Multipliquem por centenas de milhares, constatem o rombo e o roubo nas contas do cidadão. Juntando com as aposentadorias civis, é obrigatória a constatação: mexer no assunto é difícil, o mais fácil é dizer que a reforma é impopular.

Nesse tempo todo, a Previdência teve dois ministros conscientes, preocupados, eficientes. Waldir Pires e Rafael de Almeida Magalhães. Deixaram a Previdência em situação admirável. Começou a ficar catastrófica, depois que entregue á politicalha. Waldir foi governador eleito da Bahia, e candidato a vice presidente, numa chapa encabeçada por Ulisses Guimarães.  Rafael, preparadíssimo para a presidência, morreu antes.

Nada é impossível, pode ser difícil. Mas nos quadros políticos e administrativos do Brasil de hoje, com gerações perdidas, a realidade verbal tem que ser invertida. Muita coisa é difícil, mas quase tudo é impossível.Principalmente com Michel Temer provisório, efetivado, talvez prorrogado.

 Reforma Trabalhista, realmente impopular

Por exigência de empresários que “não queriam pagar o pato". Financiaram a traição e a tomada do poder. Agora querem a recompensa. Com quase 12 milhões de desempregados, e sabendo que precisam recontratar, querem atingir direitos adquiridos, apesar de precários. Têm certeza de que só se cria emprego com produção. Mas estão tratando de um assunto explosivo. Os trabalhadores, mesmo os empregados que vivem com o temor de perderem o emprego, resistirão a essa violência reacionária.

Estamos atrasadíssimos. Em 19l8, Vila e Zapata, duas grandes lideranças populares, derrubaram uma ditadura que dominava o México ha 43 anos. Implantaram uma revolução trabalhista. Foram assassinados, mas os direitos foram preservados. Em 1922, Mussolini, então Socialista, proprietário do jornal "Populo de Roma", invadiu Roma, tomou o poder, apoiado pelo povo.

Reformou as arcaicas instituições trabalhistas. Mais tarde traiu esse mesmo povo, se aliou  a Hitler, virou fascista. Terminou a vida, pendurado de cabeça para baixo, num varal de secar roupa. Em 1931, na Alemanha, a Republica de Weimar, monumento de direitos trabalhistas, não resistiu a Hitler e ao suposto "Reich dos mil anos"

Sem ter o que fazer, Temer se exibe levando o filho ao colégio, avisando á imprensa, sem o menor constrangimento. Jamais praticou esse ato ou gesto de tentar aparecer, nem que seja se aproveitando de um menino de 7 anos. Quer se apropriar também desavisadamente dos trabalhadores, nessa reforma que é retrocesso. Devia saber ou perceber que haverá resistência. Por mais heróica que precise ser.

12 milhões perderam o emprego, não sabem quando voltarão a recuperar o único bem que possuem o direito ao trabalho. Querem esse direito ao trabalho, e o respeito ás conquistas, mesmo limitadas. Para o provisório, ainda ha tempo para se aliar aos trabalhadores, em vez de desafiá-los. A palavra chave e fundamental, no assunto, é NEGOCIAÇÃO. Fora disso é ditadura, que domina toda a Historia do Brasil. Incluindo a atormentada relação, empregador-empregado.

Eduardo Cunha pede tempo

Continua coordenando seu destino parlamentar, e como conseqüência, o 
próprio futuro e a liberdade. A reunião plenária para a cassação do seu mandato, foi fixada para 9 de agosto. Diante das circunstancias, parecia definitivo. Agora, áulicos e apaniguados, surgem com um adendo: querem que a sessão do plenário seja modificada. Não entraram com recurso oficial, mesmo porque, não são partes na questão.

Têm direito a voto, se comparecerem, a política de Cunha é estimular a ausência. Agora consideram que "a repercussão para a Câmara será muito ruim, se a cassação ocorrer durante a Olimpíada”. Não se lembrou disso, quando se transformou no mais desprezível e corrupto presidente da Câmara? 

Não quer apenas adiar a sessão plenária. Pretende que sua cassação ocorra só depois da decisão final do Senado sobre o mandato de Dona Dilma. Tenta se masturbar com a própria imunidade que já perdeu ha muito tempo. Misturando Câmara e Senado, inteiramente separados.

Rodrigo Maia já afirmou: "Sessão marcada, é para se realizar". Portanto, no dia 9 de agosto, Eduardo Cunha estará cassado. Quanto á viagem para Curitiba, indefinível. Não depende de Cunha ou do seu fervor por enriquecimento e impunidade.

Bloomberg apóia Hillary

Seu objetivo, ha14 anos, era ser presidente. Depois de hesitações e duvidas, decidiu começar como Prefeito de Nova Iorque. Seu partido o Republicano, se elegeu bem. Quis disputar a presidência, os Republicanos não concordaram. Foi para o Democrata, se reelegeu. O mesmo problema: não teve legenda para presidente. Disputou e ganhou a terceira eleição em nova Iorque, como independente.

No inicio da campanha presidencial deste ano, revelou: "Serei candidato a Presidente como independente. Para isso já reservei 1 bilhão de dólares". (Na lista dos mais ricos do mundo da revista Forbes é o terceiro com 14 bilhões de dólares). È ótimo reforço, foi excelente prefeito. Andava de metrô, dispensando o carro oficial. E pagava todas as despesas, de encontros oficiais. Café da manhã, almoço, jantar, mesmo convidados dele. Desistiu, explicou: "Sem partido, ninguém será presidente dos EUA".

O TSE compromete a chapa Dilma-Temer

O presidente do mais alto tribunal eleitoral do país, Ministro Gilmar Mendes, enviou ao Supremo, indícios contra os candidatos presidenciais em 2014. Importantíssimo  por si mesmo. E mais relevante: acaba com as duvidas de que o presidente e o vice tinham campanhas financeiras separadas. Alem da comunicação ao Supremo, o presidente do TSE reforçou a comunicação, com declaração publica.

O comitê da campanha (ainda existe?), respondeu imediatamente "As contas foram enviadas em dezembro e aprovadas pelo tribunal eleitoral. Todos dizem a mesma coisa. Este repórter, ha meses, insiste: o TSE devia cassar a chapa e convocar eleição direta, em 30 dias. Como tenho dito: o TSE tem o poder de convocar o povo para resolver ou ajuda a resolver a crise.

Às urnas, cidadãos.

PS- Depois de idas, voltas, reviravoltas, dezenas de recursos protelatórios, a Rússia foi definitivamente afastada da Olimpíada do Rio. Declaração de Putin: "Sem a Rússia, a Olimpíada perde em matéria de competitividade".

PS2- È possível, ou melhor, tenho certeza, que isso é rigorosamente verdadeiro. Mas quem pode garantir se os atletas russos estão limpos ou dopados? As investigações, isentas, provaram: atletas, dirigentes, funcionários e até membros do governo, sabiam de tudo.

PS3-Mais do que provado: o governo russo tentou desmentir, não conseguiu. A Olimpíada de Inverno da Rússia, foi o apogeu da vitoria sem mérito. Haverá punição retroativa, com devolução de medalhas. Justíssimo, qualquer que seja o país.




Nenhum comentário:

Postar um comentário